• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Novo álbum de Elza Soares dará seguimento à estética do antecessor Deus É Mulher já está em processo de gravação em estúdios em São Paulo e Rio de Janeiro

Por: AE

Publicado em: 15/01/2018 13:41 Atualizado em:

Elza Soares no show A Mulher do Fim do Mundo. Foto: Lais Domingues/Divulgação
Elza Soares no show A Mulher do Fim do Mundo. Foto: Lais Domingues/Divulgação

Quando A Mulher do Fim do Mundo foi idealizado, o desejo do chamado "núcleo criativo" que criou o trabalho era dar um presente a Elza Soares: o seu primeiro disco com canções totalmente inéditas. "Era um disco despretensioso nesse sentido", explica Guilherme Kastrup, responsável por orquestrar o álbum da cantora de 2015 e segue, na mesma função, no novo álbum dela, Deus É Mulher, atualmente em processo de gravação, em estúdios em São Paulo e Rio de Janeiro.

 Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

"A gente não imaginava a proporção que A Mulher... iria tomar. Quando esse show foi para a estrada, houve um rejuvenescimento espantoso do público. De um pessoal de 50 a 60 anos, em média, para uma galera de 19 a 35 anos", explica Kastrup. A reação do público foi uma surpresa até mesmo para Elza. "Quando terminamos de gravar esse disco, eu até pensei que o público não fosse gostar, porque é um disco muito forte, muito denso...", avalia a cantora. "Quando iniciei a tour e o publico cantava comigo todas as músicas, fiquei surpresa."

Kastrup se vê como um elo entre o samba contraventor que marca a carreira de Elza Soares com a produção da trupe Kiko Dinucci, Rômulo Fróes, Rodrigo Campos e Marcelo Cabral - eles costumam colaborar entre si e formam, juntos, a banda Passo Torto. "A Elza possui esse espírito contraventor, essa coisa meio roqueira, pink, visceral", avalia Kastrup. "E o grupo totalmente habita dentro desse ambiente também. Temos uma raiz na música brasileira, no samba, mas não só nele. Há algo de metropolitano, mais abrangente."

O quarteto que forma o Passo Torto segue intacto como núcleo de Deus É Mulher. "Em time que está ganhando não se mexe", explica Elza. Campos (cavaco), Dinucci (guitarra), Cabral (baixo) e Fróes (direção artística) são acompanhados de Kastrup (bateria) e Mariá Portugal (percussão). "Essa criação é coletiva", explica o produtor. "Deus É Mulher não tem exatamente a mesma estética, mas existe uma continuidade", explica Kastrup. Sobre o conceito que costura as canções, Elza diz: "(O disco anterior) denunciava as mazelas e o caos do mundo. O novo trabalho sugere o nascimento de uma nova era, conduzida pela energia feminina".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.