• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Artistas lançam projeto de financiamento coletivo para viabilizar álbum de música erudita Dupla prepara lançamento do Afluências, cuja proposta é a combinação do violino e violoncelo com ritmos populares

Por: Alef Pontes

Por: Matheus Rangel

Publicado em: 04/05/2017 10:36 Atualizado em: 05/05/2017 13:50

Pedro Huff e Paula Bujes são do Rio Grande do Sul mas vivem no Recife. Foto: Caroline Bittencourt/Divulgação
Pedro Huff e Paula Bujes são do Rio Grande do Sul mas vivem no Recife. Foto: Caroline Bittencourt/Divulgação


Os músicos gaúchos Paula Bujes e Pedro Huff estão lançando uma campanha de financiamento coletivo para viabilizar a produção do primeiro disco da dupla, Afluências. Moradores do Recife, Paula e Pedro afirmam terem se inspirado na capital pernambucana para o título da obra, cuja proposta é a combinação do violino e violoncelo com ritmos populares como o coco, frevo, chamamé e milonga na execução de trabalhos de compositores modernos e tradicionais, a exemplos de Villa-Lobos, Adriano Coelho, Liduino Pitombeira, Adriano Torres e os próprios autores do projeto.

Confira o roteiro de shows no Divirta-se

Acostumado a tocar peças de eruditos como Beethoven e Vivaldi em orquestras, Pedro Huff conta que o casal - que veio ao Recife para lecionar música na Universidade Federal de Pernambuco - viu no disco a possibilidade de inovar no repertório. O álbum, já gravado, conta com obras de Villa-Lobos, do compositor cearense Pitombeira, dos pernambucanos Dierson Torres e Adriano Coelho, além de uma suíte de Pedro e uma peça de Paula.

"Quando pensamos no violino e no violoncelo, a gente sempre lembra da música de concerto. Nós decidimos ir por outro caminho e misturar essa linguagem com a música contemporânea", explica o violinista.

Segundo Pedro, é da proposta que unir diferentes linguagens que surgiu o nome do trabalho, Afluências, também inspirado nas paisagens do Recife. "Quando viemos para cá, nos deparamos com essa cidade linda, cortada pelos rios. E nos guiou na concepção do trabalho. Quando falamos de afluências, falamos do encontro das águas, mas também do encontro entre o erudito e o regional, entre a música do sul e do norte/nordeste", revela.

Em Afluências, toques da música gaúcha como o tango e a milonga se encontram com cavalo-marinho, maracatu, caboclinhos e bandas de pífano. Para ele, a forma de produzir os sons nos instrumentos foi um dos desafios desse trabalho. "Não tem o mesmo timbre nem a mesma sonoridade da música clássica. Tivemos o cuidado de buscar referências à sonoridade da rabeca, com um som mais rasgado, e do pífano, com um timbre aerado", exemplifica.

"Eu acho até que sou meio egoísta. Eu preciso sempre estar tocando coisas diferentes e não consegui chegar aqui no Recife, ver essa riqueza não contribuir de alguma forma", afirma, explicando que vêem o trabalho como uma forma de retribuir a receptividade dos pernambucanos.

Um cuidado que vai além das escolhas harmônicas. A gravação foi toda realizada na Capela de Nossa Senhora das Graças do Instituto Ricardo Brennand. Um zelo estritamente técnico de Marcelo Melo, que acompanhou o casal durante seis dias no espaço. "A filosofia da gravação foi ter a acústica perfeita, isso foi uma coisa do Marcelo e que trouxe uma outra cara para o disco", diz Pedro.

"Eu acho até que sou meio egoísta. Eu preciso sempre estar tocando coisas diferentes e não consegui chegar aqui no Recife, ver essa riqueza não contribuir de alguma forma", afirma, explicando que veem o trabalho como uma forma de retribuir a receptividade dos pernambucanos.

Um cuidado que vai além das escolhas harmônicas. A gravação foi toda realizada na Capela de Nossa Senhora das Graças do Instituto Ricardo Brennand. Um zelo estritamente técnico de Marcelo Melo, que acompanhou o casal durante seis dias no espaço. "A filosofia da gravação foi ter a acústica perfeita, isso foi uma coisa do Marcelo e que trouxe uma outra cara para o disco", diz Pedro.

Campanha

A campanha está sendo realizada através da plataforma Catarse (clique aqui para doar) com a meta de arrecadação de aproximadamente R$ 39,7 mil. Os interessados em ajudar podem contribuir até o dia 21 de junho com doações a partir de R$ 15. A depender do valor, há recompensar para os apoiadores que podem ser agradecimentos nas redes sociais, exemplares do CD, ingressos para apresentações, o violino usado por Paula Bujes ou até um recital exclusivo da dupla.

A previsão é de que Afluências seja lançado em setembro deste ano, quando os músicos começam a série de apresentações que planejam fazer no Recife, em Porto Alegre e São João del-Rei, em Minas Gerais. Até o momento, o projeto conta com o apoio do Instituto Ricardo Brennad, que cedeu a Capela Nossa Senhora das Graças para a gravação do álbum, e dos compositores Liduino Pitombeira, Dierson Torres e Adriano Coelho, que abriram mão os direitos autorais das composições.

Conheça mais da campanha:



Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.