• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cinema Zé do Caixão ressurge na tela na homenagem a Mojica no Festival de Gramado O consagrado ator e cineasta não pôde estar presente, mas foi representado pela filha e enviou vídeo de agradecimento

Por: Júlio Cavani - Diario de Pernambuco

Publicado em: 31/08/2016 14:16 Atualizado em: 31/08/2016 14:27

Filha de Mojica, Liz Vamp mordeu pescoços no tapete vermelho. Foto: Cleiton Thiele/ Divulgação
Filha de Mojica, Liz Vamp mordeu pescoços no tapete vermelho. Foto: Cleiton Thiele/ Divulgação
 
Homenageado na noite de terça pelo conjunto da obra, o ator, produtor e diretor José Mojica Marins não pôde estar pessoalmente no Festival de Gramado, mas enviou um vídeo, projetado na tela, vestido como o personagem Zé do Caixão, que o consagrou.

"Zé do Caixão divulga o Brasil no mundo todo, mas em nosso país ainda não temos aquele aval com força total", lembrou Mojica antes de agradecer a homenagem.

Quem recebeu o troféu na homenagem foi a atriz Liz Vamp, filha de Mojica, que fez uma performance ao percorrer o tapete vermelho do festival. No percurso, ela chegou a morder pescoços de atores que a acompanhavam. Ela explicou que o pai não pôde viajar por recomendação médica, pois está prestes a fazer uma cirurgia de hérnia.

"É a pátria dele reconhecendo o valor desse homem, que nunca desistiu de levantar a bandeira do Brasil mesmo quando muitos desdenhavam do trabalho dele e viravam as costas", disse Vamp ao lembrar que Mojica foi perseguido e sofreu preconceito no próprio país.



Na mesma noite, foi exibido o curta-metragem Super Oldboy, que tem no elenco a atriz Elke Maravilha, homenageada no palco pela diretora do filme, Eliane Coster. "Ela era uma mulher muito valente, que foi contra o status quo de seu tempo. Era uma modelo que fazia questão de usar uma máscara porque entendia que a beleza não era uma coisa que pudesse ser negociada e manipulada. Ela sempre questionou os padrões de beleza", disse a cineasta, que fez o curta mais divertido mostrado no festival até agora.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.