• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Cobertura Nação Zumbi lembra Gonzagão, Lia e critica pessimismo na volta ao palco do último show com Science no Recife Grupo mesclou músicas históricas dos mais de 20 anos de carreira com canções mais recentes

Por: Luiza Maia - Diario de Pernambuco

Publicado em: 16/08/2015 05:04 Atualizado em: 16/08/2015 22:12

Banda pernambucana subiu ao palco por volta de 1h30. Foto: Brenda Alcântara/Esp. DP/D.A. Press
Banda pernambucana subiu ao palco por volta de 1h30. Foto: Brenda Alcântara/Esp. DP/D.A. Press

Foi uma noite de pouca conversa e muita música, cantada em uníssono pela plateia e acompanhada por rodas de pogo durante quase toda a apresentação da Nação Zumbi. No palco onde fez o último show no Recife com Chico Science, em 27 de setembro de 1996, a banda pernambucana desfilou, neste sábado, vários sucessos compostos pelo ex-líder da banda ícone do movimento manguebeat, mas também canções recentes, como Cicatriz, o primeiro single do disco lançado no ano passado.

O clima de nostalgia contrastava, visivelmente, com as idades dos fãs presentes. Garotos de 20 e poucos anos – certamente crianças quando CSNZ estourou e quando a música pernambucana perdeu precocemente um dos principais ídolos, em um acidente de carro, no dia 2 de fevereiro de 1997 – gritavam empolgados, especialmente as músicas mais antigas, concentradas na segunda metade do show.

O repertório de cerca de uma hora e meia, iniciado pouco depois de 1h30, foi basicamente o mesmo apresentado no festival SummerStage, no Central Park, em Nova York, no dia 2 de agosto. Duas décadas depois, eles voltaram ao mesmo palco onde fizeram o primeiro show nos Estados Unidos, com participação de Gilberto Gil.

Poucas horas antes dos protestos contra o governo da presidente Dilma Rousseff, marcados para este domingo, Jorge mandou o recado dele. "A gente tem que ter otimismo. Reclamar é muito fácil. Já passei por situações piores", disparou, antes da canção Novas auroras, faixa do último álbum.

"Quando a gente entrou para passar o som, veio tudo de novo. É um prazer estar aqui de novo", comemorou o vocalista Jorge du Peixe, em uma das poucas alusões diretas aos quase 20 anos do histórico show. "Vamos fazer uma pequena viagem no tempo aí, para o tempo de Chico Science e Nação Zumbi", gritou, para delírio da plateia cheia e com ingressos esgotados, mas confortável em espaço, apesar do forte calor.

Fãs que eram crianças ou adolescentes quando Chico morreu eram maioria na plateia. Foto: Brenda Alcântara/Esp. DP/D.A. Press
Fãs que eram crianças ou adolescentes quando Chico morreu eram maioria na plateia. Foto: Brenda Alcântara/Esp. DP/D.A. Press
Em seguida, os mangueboys emendaram O cidadão do mundo, Maracatu atômico e Manguetown, todas de Afrociberdelia, o segundo disco, lançado em 1996, e a recente Um sonho, cujo clipe, estrelado por Lula e Ramon, filhos de Science e Jorge du Peixe, concorre ao Prêmio Multishow na categoria melhor clipe. Risoflora, do álbum de estreia, foi resgatada e inserida no setlist.

Luiz Gonzaga foi lembrado dentro de Rios, pontes e overdrives, com trecho de O fole roncou, durante a apresentação da banda. O momento teve direito a roda de ciranda armada entre o público e performance de dança do percussionista Toca Ogan. Antes do bis, uma pausa para gritos das torcidas rubro-negra e tricolor, impulsionadas pela camisa do Santa Cruz empunhada pelo guitarrista Lúcio Maia, o mais empolgado sobre o palco.

As três músicas escolhidas para encerrar a noite, tirar todos do chão e transformar a pista em uma grande roda foram Etnia, A praieira (com Quem me deu foi Lia) e Quando a maré encher.

O rapper Black Alien, ex-integrante da lendária banda Planet Hemp, fez o show de abertura, já para uma casa cheia. A DJ pernambucana Lala K ficou responsável pela discotecagem antes e durante as apresentações.

Confira o repertório da noite:

Monólogo ao pé do ouvido
Defeito perfeito
Foi de amor
Bossa nostra
Infeste
Bala perdida
Hoje, amanhã e depois
Novas auroras
Meu maracatu pesa uma tonelada
Cicatriz
No olimpo
Cidadão do mundo
Maracatu atômico
Manguetown
Um sonho
Blunt of Judah
Banditismo
Rios, pontes e overdrives
Risoflora
Da lama ao caos
BIS
Etnia
A praieira
Quando a maré encher


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.