Saúde Alagamentos aumentam risco de leptospirose na população

Publicado em: 14/06/2019 17:15 Atualizado em: 14/06/2019 17:20

Contato com água de alagamentos pode facilitar a contaminação. Crédito: Peu Ricardo/DP
Contato com água de alagamentos pode facilitar a contaminação. Crédito: Peu Ricardo/DP

Diante das recentes chuvas e dos alagamentos, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) reforçou com a população o risco da leptospirose. Transmitida aos seres humanos pela urina de animais portadores da bactéria leptospira, principalmente ratos, a leptospirose tem contaminação por meio do contato com água suja ou lama infectada. Dos 35 casos confirmados em 2019, 51,4% foi na população entre 20 e 49 anos.

Em 2019, Pernambuco teve uma queda de 43% nas notificações de casos de leptospirose. Até o último dia 08 de junho, foram 284 notificações, contra 506 no mesmo período do ano passado.Mesmo assim, o órgão reforça que este período do ano é de redrobrar a atenção.
 
"Precisamos relembrar a população dos riscos do contato com água suja ou lama contaminada pela leptospira e a importância de lavar a área afetada. Os serviços de saúde também precisam ficar atentos para fazer o diagnóstico e o correto manejo do paciente, evitando o agravamento do quadro e até mesmo óbitos", pontua o gerente de Zoonoses da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Francisco Duarte.

No caso de contato com água contaminada, a indicação é lavar bem a área do corpo com água limpa e sabão. O hipoclorito de sódio a 2,5% (água sanitária) mata as leptospiras e deve ser usado para desinfetar reservatórios de água (um litro de água sanitária para cada 1.000 litros de água do reservatório), locais e objetos que entraram em contato com água ou lama contaminada (um copo de água sanitária em um balde de 20 litros de água). Pessoas que trabalham na limpeza de lama, entulho e esgoto devem usar botas e luvas de borracha para evitar o contato da pele com água e lama contaminadas.

A doença é caracterizada por febre, dor de cabeça, dor muscular (principalmente nas pernas, na área das panturrilhas – batata da perna). Os sintomas podem aparecer até 30 dias após o contato com a água ou lama. Também podem ocorrer vômitos, diarreia e tosse. Nas formas graves, pode aparecer icterícia (pele olhos amarelos), sangramento e alterações urinárias.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.