POLÍCIA Estelionatário e falso religioso aplicou golpe em mais de 500 pessoas

Publicado em: 12/06/2019 19:04 Atualizado em: 12/06/2019 19:14

Apenas no Recife, desde a sua prisão, na terça (11), já foram identificados 50 casos. Foto: Divulgação Polícia Civil
Apenas no Recife, desde a sua prisão, na terça (11), já foram identificados 50 casos. Foto: Divulgação Polícia Civil
Empresas, pessoas físicas, empregadas domésticas e prostitutas. Não foram poucas as vítimas do estelionatário Linaldo da Silva, 42, anos, preso na última terça (11) no Recife: 500 pessoas, nos estados de Pernambuco, Alagoas, Bahia e até Aracaju, onde já tinha mandado de prisão em aberto. No momento da prisão, ele ainda ofereceu dinheiro aos policiais. Deverá responder, portanto, por crimes de estelionato e, também, corrupção ativa.

Linaldo “atuava”, desde 2014 utilizando uma vidraçaria como fachada. Por meio dela, localizava vítimas diversas, tanto empresas quanto obras em andamento e indivíduos comuns. Nestes locais, oferecia serviços de gesseiro, pedreiro e vidraceiro. As pessoas contratavam e pagavam parte do valor em débito, crédito, dinheiro em espécie ou cheque. Linaldo, entretanto, nunca prestava o serviço. Segundo o titular da Delegacia de Afogados, Igor Leite, algumas vezes ele começava as obras, para aparentar que as concluiria, contratando um terceirizado. A ele também também não prestava contas, envolvendo-o em sua atuação criminosa. Para adquirir o material necessário para as obras (ferramentas, insumos, etc), dava o chamado golpe do envelope vazio ou fazia transferência bancária de contas que não tinham fundos. De forma que a empresa entregava o material e, posteriormente, constatava que o valor não havia entrado na conta. “Ele vinha praticando estes crimes desde 2014 e, confessadamente, já fez mais de 500 vítimas. Desde ontem, com a sua prisão, identificamos 50 delas somente em locais como Cabo de Santo Agostinho, Piedade, Boa Viagem, Olinda, Boa Viagem e Afogados. Com a exposição da sua imagem nas mídias, devem aparecer outras”, explica.

Para atrair as vítimas, Linaldo passava-se, muitas vezes, por fiel, frequentando várias igrejas e aproximando-se das pessoas, dos pastores. “Ele se utilizava muitas vezes da fé. Conseguia até frequentar a casa dos fieis e pegar indicações de outros clientes, para aplicar o golpe em ambos. Quando já não era bem quisto no local, mudava de bairro e fazia mesma coisa. Aqui em Recife, já fez isso em pelo menos três igrejas”, relata o delegado.

No momento em que foi flagrado, o estelionatário percebeu que a situação era grave e ofereceu dinheiro aos policiais, o que faz com que seja autuado não só pelo estelionato, mas pela corrupção ativa, crime com pena máxima de 15 anos.

Segundo Igor Leite, além deste tipo de golpe, Linaldo oferecia emprego de assistente de serviços gerais ou de secretária a empregadas domésticos. Tudo em troca de sexo. Marcava, também, programas com prostitutas e utilizava o golpe do envelope vazio para ludibriá-las. “Se houver confirmação do envolvimento dele com adolescentes ou comprovação da indução da prática de prostituição, ele também pode responder por estes crimes”, concluiu.

Confira o diálogo em que Linaldo tenta subornar os policiais:

Policial - Tu trabalha nos golpes há quanto tempo? A gente já tava atrás de tu porque tu és de Salvador.

Linaldo - Eu quero abrir o jogo e também que você me ajude, entendeu?

Policial - Tá certo.. tu quer que a gente te ajude como? Diga aí!

Linaldo - Meu amado, é o seguinte.. eu sei que tô complicado aqui. O senhor me levando vou ter um prejuízo e uma situação muito difícil.

Policial - Vamos falar correto.. Você só vive de aplicar golpes, né? Salvador, Alagoas, Paraíba..

Linaldo - Não, Paraíba nuca fui por lá não.

Policial - Só Salvador, Maceió e Recife?

Linaldo - Foi, agora eu quero conversar com o senhor. Aí a gente vê o que o senhor pode fazer por mim e eu chego junto.

Policial - Mas diga o que é que você quer falar. Seja honesto.

Linaldo - Posso ser sincero? Rapaz, eu quero, assim, ver o que o senhor pode fazer por mim para aliviar minha situação e eu chego junto com o senhor também.. porque eu tô vendo que eu tô complicado, entendeu?

Policial - Chegar junto como assim, não tô entendendo?

Linaldo - Eu chego junto no financeiro

Policial - Você tá oferecendo negócio a gente?

Linaldo - Não, não tô oferecendo.. eu quero dizer assim ao senhor: diga o que pode fazer por mim pra eu chegar junto com o senhor também aqui do outro lado.

Policial - Em outras palavras, você quer chegar junto com a gente financeiramente?

Linaldo - Financeiramente.. não é lhe comprar, quero ver qual é a situação que pode aliviar meu lado aqui.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.