Saúde ONG realiza Semana de Conscientização sobre a Cardiopatia Congênita

Publicado em: 06/06/2019 20:53 Atualizado em:

 (Cardiopata desde que nasceu, Artur é voluntário na ONG )
Na Semana Nacional de Conscientização sobre a Cardiopatia Congênita, a ONG Círculo do Coração, conhecida como Circor, que há 25 anos cuida de crianças cardiopatas no Nordeste, realiza uma programação no próximo domingo (09), entre caminhada e aulão de Yoga, para lembrar a importância diagnóstico precoce para o tratamento de um problema de saúde que atinge um em cada 100 bebês no Brasil. 

O evento acontece entre o 1º e o 2º jardins de Boa Viagem. A concentração começa às 15h, com aferição de pressão arterial e saturação de oxigênio e orientação médica sobre cardiopatias congênitas. A saída da caminhada acontece às 16h, em ritmo leve, pela areia da praia. Às 17h, será realizado um aulão de Yoga. Durante toda a programação, das 15h às 18h, será realizada uma campanha de doação para aquisição de aparelho de eletrocardiograma para a Casa do Coração, espaço que vai realizar o atendimento ambulatorial gratuito de crianças e gestantes.

As inscrições custam R$ 10,00 e podem ser feitas no site www.circulodocoracao.com.br. 

A doença

Cardiopatia Congênita é qualquer anormalidade na estrutura ou função do coração que surge nas primeiras 8 semanas de gestação, período em que se forma o coração do bebê. Ocorre por uma alteração no desenvolvimento embrionário da estrutura cardíaca, mesmo que descoberto anos mais tarde. As cardiopatias congênitas mais comuns incluem alteração em alguma válvula cardíaca, que influencia no fluxo sanguíneo dificultando ou impedindo sua passagem, alterações nas paredes do coração levando a comunicações cardíacas que não deveriam existir e mistura do sangue oxigenado com o não oxigenado ou ainda a formação de um único ventrículo. Pode ainda haver a combinação de malformações.

Artur Lucas de França, 26, é cardiopata e passou por cirurgia logo nos primeiros dias de vida. Ele é acompanhado pela Unidade de Cardiologia Materno Fetal (UCMF) desde que nasceu e é um dos primeiros pacientes da ONG Círculo do Coração. Sua cardiopatia congênita é Tetralogia de Fallot, problema que causa fluxo de sangue pobre em oxigênio para fora do coração e para o resto do corpo. 

Os fatores de risco incluem uma doença viral como a rubéola durante a gravidez, alcoolismo materno ou histórico familiar da doença. Os sintomas incluem pele azulada e falta de ar. A cirurgia costuma ser realizada no primeiro ano de vida, seguida de tratamento contínuo. Artur trabalha como voluntário no Circor e desenha os personagens dos livros que a ONG distribui gratuitamente, além de ilustrar os vídeos educativos utilizados para educar e conscientizar as crianças cardiopatas.

"Sempre gostei de desenhar e pra mim foi muito bom. Sempre apreciei o serviço, pois a cada medico que passa vejo a dedicação e o amor ao trabalho. Sou feliz em fazer parte desta equipe. Costumo dizer que eles são minha segunda família", afirma Artur. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.