Investigação Polícia desarticula quadrilha que agia com tráfico, sequestro, tortura e assassinato

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 05/06/2019 08:22 Atualizado em: 05/06/2019 10:28

Foto: Polícia Civil/Divulgação. (Foto: Polícia Civil/Divulgação.)
Foto: Polícia Civil/Divulgação.
Tráfico de drogas, sequestro e tortura. Estes eram os crimes cometidos por uma organização criminosa desarticulada na manhã desta quarta (5), em operação desencadeada pela polícia civil do Estado. Um total de 13 mandados de prisão foram expedidos pela Vara Criminal da Comarca de Barreiros. Segundo a polícia, os integrantes estão envolvidos no caso do desaparecimento da comerciante Jussara Maria da Silva Pereira, na noite do dia 13 de fevereiro. Na ocasião, a comerciante de 33 anos, estava em casa com os filhos, na comunidade de Chã de Pinheiro, em Paudalho, quando o imóvel foi invadido por quatro homens, que a levaram.

As investigações da 47ª  Operação de Repressão Qualificada do ano denominada "Terra Vermelha"começaram no último mês de fevereiro. A ação é coordenada pela Diretoria Integrada Especializada (Diresp) e está vinculada ao Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco), sob a presidência do Delegado Paulo Berenguer. As investigações foram assessoradas pela Diretoria de Inteligência da Polícia Civil de Pernambuco (Dintel). 
 
De acordo com o diretor da Delegacia Integrada Especializada da Polícia Civil (Diresp), Jean Rockfeller, a organização era voltada para o tráfico de drogas, sequestro, sequestro seguido de morte e tortura. Ele conta que as investigações começaram em fevereiro, após o desaparecimento de Jussara. "Podemos confirmar que a Jussara está morta, por motivo fútil. O corpo não foi encontrado, mas tivemos confissão por parte dos autores do crime. Estas pessoas apreendidas hoje tiveram participação no mesmo", explica. 

O motivo do assassinato, segundo o delegado, foi uma disputa interna pelo controle da organização que agia em todo o estado, especificamente nos municípios de Barreiros e Paudalho, e da qual o marido de Jussara, o presidíário Marcos Rafael Pereira, o Quiquinho, fazia parte. "Ele tinha uma posição de liderança. Por isso, visando atingi-lo, mataram sua esposa após um racha no grupo. Prendemos, inclusive, diversas pessoas que estavam na rua tentando executar ordens que vinham do presídio, desarticulando este núcelo que está lá. É um grupo forte, violento", complementa. Das 13 pessoas envolvidas, cinco, no mínimo, tem ligação direta com a morte de Jussara. Nesta quarta, foram expedidos cinco mandados de prisão para pessoas que estavam livres. A polícia tenta localizar outros dois fugitivos.   


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.