Mar Aberto II Maior iate do NE é apreendido em operação contra esquema de corrupção

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 30/05/2019 08:10 Atualizado em: 30/05/2019 10:04

Foto: Reprodução/PCPE. (Foto: Reprodução/PCPE.)
Foto: Reprodução/PCPE.

A Polícia Civil iniciou na manhã desta quinta-feira (30), mais uma fase da Operção Mar Aberto, que prendeu empresários envolvidos em esquema de corrupção sonegando mais de R$ 60 milhões. Serão cumpridos hoje 13 mandados de busca e apreensão domiciliar, expedidos pela vara de crimes contra a administração pública e contra a ordem tributária. Estão integradas nesta fase as polícias civis dos estados da Paraíba e de São Paulo.

A ação desta manhã busca apreender materiais para recuperar o valor sonegado. Já foi apreendido pela polícia o maior iate do Nordeste com 115 pés. A embarcação luxuosa está avaliada em cerca de R$ 15 milhões e foi encontrada ancorada na praia de Cabedelo, na Paraíba. Também já estão sob posse da polícia seis carros de colecionadores, uma Ferrari original que estava sendo desmontada e dois helicópteros.

A movimentação do grupo foi de R$ 300 milhões em cinco anos, de acordo com a polícia. Nesta segunda execução, foram empregados 50 policiais civis de Pernambuco, entre delegados, agentes e escrivães, uma equipe da Policia Civil do Estado de São Paulo e uma da Polícia Civil do Estado da Paraíba, além de equipes da coordenação de apoio formada por auditores da Secretaria da Fazenda (Sefaz), Bombeiros e pilotos do GTA.

O esquema foi revelado pela polícia no início deste mês de maio. De acordo com as investigações, o empresário José Pinteiro da Costa Neto lidera um esquema de sonegação de dinheiro com a fabricação e venda de lanchas, através das empresas náuticas Mariner e Aquarium. Também está envolvida a produtora de eventos We Do, de José Pinteiro Júnior, conhecido como Dj Jopin. Além dos dois, foram presos no início do mês Andréa Pinteiro e Victória Pinteiro, respectivamente mãe e irmã de Jopin e seu primo, Aníbal Pinteiro. Os presos permanecem no Centro de Observação e Triagem Everardo Luna (Cotel) e na Colônia Penal Feminina.

Todos os bens aparecem em nome de membros da família Pinteiro. "As investigações evoluíram. Eu falei que ninguém se esconde da polícia e vamos achar todos. Serve de recado para aqueles que tentam cometer crimes em Pernambuco. O Draco foi criado para isso. Prender bandidos, corruptos, integrantes de organização criminosa e sonegadores", comentou o delegado Jean Rockfeller.

A polícia ainda realizou buscas nas celas dos presos e conseguiu apreender celulares, quantias em dinheiro que irão compor o inquérito podendo revelar novas faces do esquema.  

SAIBA MAIS:

Foto: Reprodução/PCPE. (Foto: Reprodução/PCPE.)
Foto: Reprodução/PCPE.
A investigação começou em dezembro de 2017, com objetivo de prender integrantes da Organização Criminosa, voltada para a prática dos crimes de lavagem de dinheiro, crime tributário e organização criminosa. Esta é a 44ª Operação de Repressão Qualificada do ano vinculada ao Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco).


As investigações foram assessoradas pela Diretoria de Inteligência da Polícia Civil de Pernambuco (Dintel) e do Laboratório de Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil de Pernambuco. A Operação está sendo coordenada pela Diretoria Integrada Especializada (DIRESP) e pela Diretoria de Operações da Sefaz e supervisionada diretamente pela Chefia de Polícia.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.