Saúde Cerca de 140 mil crianças ainda faltam se vacinar contra a gripe em Pernambuco

Publicado em: 26/05/2019 17:41 Atualizado em: 26/05/2019 17:44

Crédito: Paulo Paiva/DP
Crédito: Paulo Paiva/DP

Cerca de 2,2 milhões de pessoas foram vacinadas contra o vírus da gripe em Pernambuco. Após o segundo Dia D de vacinação contra a influenza, cerca de 86% do total de 2,6 milhões de pernambucanos inclusos no público-alvo da campanha receberam a imunização. O estado é o terceiro no país com o maior percentual de pessoas protegidas. 

Até o momento, atingiram a meta mínima de 90% os grupos formados pelos funcionários do sistema prisional (192,54%), professores (93,95%), indígenas (96,73%), puérperas (110,95%), trabalhadores de saúde (94,24%) e gestantes (90,07%). A campanha de vacinação segue até a %u202Apróxima sexta-feira%u202C (31) para os mais de 370 mil que ainda não foram imunizados. 

Na última semana da campanha, o Programa Estadual de Imunização chama a atenção, principalmente, para o grupo formado por crianças entre 6 meses e 5 anos, 11 meses e 29 dias. Até o momento, foram vacinados 613 mil (81,51%), faltando mais de 139 mil. Esse foi o único grupo a não atingir meta em 2018. 

Além disso, dos 1.043 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) registrados em 2019 em Pernambuco, 899 (86,19%) foram em meninos e meninas abaixo dos 6 anos. Em relação aos casos de influenza confirmados laboratorialmente, 63% foram em crianças de até 4 anos.

Podem se vacinar contra a influenza: crianças entre 6 meses e 5 anos, 11 meses e 29 dias; gestantes, idosos (60 anos ou mais), puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas e povos indígenas. 

A imunização, que protege contra as influenzas A(H1N1), A(H3N2) e B, ainda contempla portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, que devem apresentar prescrição médica no ato da imunização, de acordo com recomendação do Ministério da Saúde (MS); adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional. 

Além disso, o Ministério orienta vacinar policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas, que devem apresentar documento comprobatório no ato da vacinação, assim como os professores e profissionais de saúde.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.