Crime Entre janeiro e abril deste ano, cinco pessoas foram presas furtando energia Energia recuperada nos quatro primeiros meses do ano seria suficiente para abastecer Petrolina durante um mês

Publicado em: 10/05/2019 12:03 Atualizado em: 10/05/2019 12:18

A fiscalização conta com o apoio da Polícia Civil de Pernambuco e de peritos do Instituto de Criminalística. Foto: Celpe/Divulgação.
A fiscalização conta com o apoio da Polícia Civil de Pernambuco e de peritos do Instituto de Criminalística. Foto: Celpe/Divulgação.
Cinco pessoas foram presas e cerca de 40 mil pontos com alguma irregularidade. Esse foi o saldo das mais de 70 mil inspeções com foco no combate ao furto de energia realizadas em todo o estado entre janeiro e abril deste ano pelos técnicos da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe).

A companhia alerta para o risco de segurança dos chamados "gatos", que, além de prejudicarem o fornecimento de energia elétrica, podem causar acidentes fatais como choques elétricos ou incêndios. A fiscalização conta com o apoio da Polícia Civil de Pernambuco e de peritos do Instituto de Criminalística. Nas operações, 14 pessoas foram conduzidas para prestar esclarecimentos e cinco foram autuadas em flagrante.

Por serem ligações de energia realizadas sem qualquer padrão técnico e de segurança, as irregularidades causam instabilidade no fornecimento para todo o entorno, além de representarem um risco coletivo. Desde a instalação, que não possui qualquer proteção, até o fornecimento, que comumente utiliza materiais de baixa qualidade, a ‘gambiarra’, como também é popularmente conhecida, pode trazer graves prejuízos para toda a comunidade. Os riscos vão desde a oscilação no fornecimento de energia até, mais gravemente, o perigo de um acidente fatal, por contato de alguma pessoa com a ligação irregular ou incêndios.

A Região Metropolitana do Recife (RMR) responde por mais da metade dos casos identificadas no estado. Os técnicos da Celpe realizaram mais de 45 mil inspeções, encontrando algum tipo de irregularidade em mais de 27 mil unidades de consumo. O montante de energia seria suficiente para abastecer o município do Cabo de Santo Agostinho, durante um mês. Além de todos os prejuízos técnicos e de segurança, os consumidores são prejudicados no bolso, pois as perdas com furto de energia são consideradas no cálculo para o reajuste anual da tarifa de energia, determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A Celpe conta com uma equipe de inteligência que trabalha para identificar e retirar ligações irregulares de energia. A concessionária reforça, ainda, que a ligação clandestina de energia é crime com pena prevista no Código Penal Brasileiro e conta com o apoio de toda a população para realizar denúncias, que podem ser feitas em caráter anônimo por meio dos canais de atendimento da distribuidora.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.