Prisão Homem é preso em flagrante suspeito de agir como coiote no Recife

Publicado em: 09/05/2019 11:27 Atualizado em: 09/05/2019 11:37

FOTO: PFPE / Divulgação  (FOTO: PFPE / Divulgação )
FOTO: PFPE / Divulgação
Um homem foi preso no Aeroporto Internacional dos Guararapes, na Imbiribeira, Zona Sul do Recife, por tentar fazer a imigração ilegal de oito pessoas naturais de Bangladesh, no Sudeste da Ásia. Marcos Antônio da Cunha, de 55 anos, foi preso no último domingo (5). Ele foi encaminhado para audiência de custódia e pagou fiança. Segundo a Polícia Federal, os imigrantes vieram em um voo provindo da Argentina e planejariam solicitar refúgio aqui no Brasil. O caso foi divulgada nesta quarta-feira (8).

Durante fiscalização de rotina no check-in internacional do aeroporto, os imigrantes disseram aos agentes que eram trabalhadores de navios, e que iriam embarcar no navio Ocean Exporter, a trabalho. Eles apresentaram carteiras de tripulante marítimo e passaportes, porém não estavam com uma carta de transbordo da empresa responsável pelo translado do aeroporto até o navio. Ainda de acordo com a Polícia Federal, a empresa alegou desconhecer a chegada prevista dos imigrantes na embarcação. A entrada é ilegal no país porque, embora tenham apresentado passaportes originais, os imigrantes não possuem visto.

Ainda segundo a PF, Marcos Antônio da Cunha alegou durante a fiscalização ser estagiário da empresa portuária, e que teria esquecido a documentação dos imigrantes no hotel em que os rapazes estavam hospedados. Quando retornou à polícia, ele estava munido de um pedido de refúgio para os imigrantes com assinatura de um advogado de São Paulo.  

Marcos Antonio da Cunha foi preso em flagrante por suspeita de estar agindo como "coiote", ou seja, quando alguém é pago para tornar fácil a entrada ilegalmente de estrangeiros em demais países. Ele realixou exame de corpo e delito no Instituto de Medicina Legal (IML) e foi liberado após pagar fiança depois da audiência de custódia. Ele responderá ao processo em liberdade. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.