Ato Motoristas de aplicativos fazem paralisação pedindo segurança e aumento de tarifa

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 08/05/2019 11:20 Atualizado em:

Foto: Mandy Oliver/DP Foto. (Foto: Mandy Oliver/DP Foto.)
Foto: Mandy Oliver/DP Foto.
Grupos de motoristas de aplicativos de transportes de passageiros se reuniram em frente à sede da Uber, localizada no bairro de Santo Amaro, no Centro do Recife, e na sede da 99, que fica em Casa Forte, Zona Norte da cidade, para reivindicar melhorias nas condições de trabalho. O ato faz parte de um movimento global, chamado de “Uber shut down” (Uber desligado, em inglês), que acontece em outras capitais do país. De acordo com a Associação dos Motoristas de Aplicativo de Pernambuco (Amape), a categoria não deve realizar protestos durante o dia.

"Não pretendemos prejudicar a mobilidade bloqueando as ruas. Nossa ideia é desligar os aplicativos por 12 horas. Pretendemos entregar nossas pautas e garantir o diálogo com as empresas. Estamos pedindo aumento no valor cobrado por quilômetro, aumento da taxa mínima, ter acesso ao destino das viagens e as notas dos passageiros, entre outras melhorias", comentou o motorista Elio Caffe, que trabalha há cerca de um ano na Uber.

A estratégia é pressionar as empresas diante do aumento da demanda que seria provocado pela pouca disponibilidade de motoristas, fazendo subir os valores das viagens. Outras reivindicações do movimento são aumento de preço no quilômetro por passageiro adicional, cobrança de taxa adicional de 25% para corridas da meia noite às 5h da manhã, bloqueio de cadastro caso o cliente não pague ao motorista em dinheiro e diminuição no tempo de espera pelo passageiro de 5 para 3 minutos. 

O movimento foi articulado através das redes sociais e a escolha da data faz referência à primeira oferta pública de ações na Bolsa de Valores, quando a Uber espera atingir US$ 91 bilhões em valor de mercado e arrecadar até US$ 9 bilhões.

Outra forma de mobilizar os motoristas foi através de doação de sangue coletiva no Hemope. A motorista Márcia Cruz, de 41 anos, é cadastrada na Uber há cinco anos e pede por melhorias na segurança e aumento do valor repassado para os motoristas. "Realizamos a paralisação pacífica e como ação social estamos fazendo um mutirão de doação de sangue. A ideia não é ficarmos ociosos e sim pedir melhorias e mobilizar todos que acreditam nas pautas", conta.

Mesmo com o ato dos grupos de motoristas, o aplicativo funcionou normalmente durante a manhã de hoje. Além do Recife, também aderiram ao Uber shut down os estados de São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.