Caruaru Incêndio na Feira da Sulanca pode ter destruído 60 boxes Prefeitura começou o cadastramento dos feirantes. Alguns dos comerciantes perderam toda a mercadoria

Publicado em: 07/05/2019 09:27 Atualizado em: 07/05/2019 11:32

Feirantes conseguiram salvar parte das mercadorias. Foto: Caruaru no Face/Reprodução
Feirantes conseguiram salvar parte das mercadorias. Foto: Caruaru no Face/Reprodução
O número de boxes destruídos ontem pelo incêndio na Feira da Sulanca, em Caruaru, pode chegar a 60. O dado exato somente deve ser conhecido com o fim do cadastramento iniciado hoje pela manhã por funcionários da prefeitura municipal.


Entre os feirantes, a contabilidade é de, no mínimo, 40 pontos totalmente destruídos. O prejuízo não foi maior porque alguns comerciantes, ao perceberem as chamas, conseguiram retirar parte das mercadorias estocadas nos boxes.

Nem todos conseguiram salvar as mercadorias. Erivaldo Silva perdeu tudo do boxe que adquiriu há cerca de cinco anos. “Não deu para salvar nada”, lamentou ele à imprensa. Agora, segundo o feirante, é se apegar a Deus e começar “do zero”. Os prejuízos dele, incluindo a destruição do ponto comercial e das mercadorias, foram estimados em cerca de R$ 20 mil.

A área da Feira da Sulanca que queimou abrigava parte dos boxes com mercadorias de melhor qualidade. Para os comerciantes, esta semana seria a oportunidade de aumentar as vendas devido à proximidade do Dia das Mães.

Enquanto os comerciantes estimam as perdas, a prefeitura municipal faz o cadastramento dos feirantes que tiveram os pontos comerciais atingidos pelo fogo. O cadastramento está sendo feito por funcionários da prefeitura no Espaço Cultural.

Ainda hoje pela manhã, bombeiros e integrantes da Defesa Civil inciam o trabalho de rescaldo da área queimada da feira, localizada no Parque 18 de Maio. Sem hidrantes e com muitas gambiarras, o parque passa por requalificação. O projeto de melhoria, no valor de R$ 8 milhões, está sendo tocado pelo governo municipal.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.