Saúde Dia Nacional alerta para luta contra a endometriose

Publicado em: 06/05/2019 21:40 Atualizado em: 06/05/2019 21:55

Crédito: Marlon Diego/Esp.DP
Crédito: Marlon Diego/Esp.DP
No Brasil, uma em cada dez mulheres desenvolvem a endometriose. A doença não tem um diagnóstico fácil, já que apresenta uma grande dificuldade na investigação devido às complexidades em detectar o problema no exame físico e ginecológico. Em consequência disso, o diagnóstico muitas vezes é tardio. Estima-se que o intervalo entre o início dos sintomas e a descoberta da condição varia de sete a nove anos. Essa dificuldade amplia o risco de infertilidade feminina. Nesta quarta-feira (8), é comemorado o Dia Nacional da Luta Contra a Endometriose. A data busca conscientizar as mulheres sobre a importância dos exames regulares para detectar a doença.

A endometriose é uma inflamação provocada pelas células do endométrio que, em vez de serem expelidas, migram no sentido contrário e podem cair nos ovários ou na cavidade abdominal.Lá, elas voltam a se multiplicar e podem gerar sangramento. A endometriose pode ser assintomática, porém podem ser sintomas da doença: cólica menstrual que aumenta de intensidade e incapacita a mulher a realizar atividades diárias, dor durante as relações sexuais, dor e sangramento intestinais e urinários durante a menstruação e infertilidade. 

Estima-se que 15% das mulheres entre 15 e 45 anos de idade sofram com endometriose no país. Exames anuais, alimentação saudável e exercícios físicos são formas de se proteger contra a doença, avalia o ginecologista Neidson Menezes, diretor médico do Centro de Endometriose de Pernambuco (CEHP).

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endometriose e Geniecologia Minimamente Invasiva, a presença de casos de endometriose na família é um fator de risco para o desenvolvimento da doença. Entre 50% a 70% das mulheres com endometriose tem infertilidade. Cerca de 40% daquelas que com infertilidade têm endometriose. 

O ideal é que, diante dos sintomas, a mulher procure um médico ginecologista para avaliar a possibilidade de ter endometriose. Para iniciar a investigação, é aconselhável que a mulher faça uma ultrassonografia transvaginal. Com ela é possível analisar os órgãos ginecológicos (útero e ovários), bem como outros locais que podem ser acometidos pelo problema, como a região retrocervical. “A ultrassonografia transvaginal/trasretal consegue oferecer uma visão complementar dos órgãos afetados”, afirma o radiologista do Lucilo Maranhão Diagnóstico, Lucilo Maranhão Neto.

Outro exame que pode ajudar no diagnóstico é a ressonância. Com ela é possível avaliar, com mais definição e com melhor contraste, os tecidos e as áreas profundas da pelve que são difíceis de se avaliar na ultrassonografia. 
 
Nesta quarta-feira, Neidson Menezes reunirá a equipe multidisciplinar em uma live nas mídias sociais para orientar gratuitamente as mulheres portadoras da Endometriose. Neste mesmo dia será lançado pelo CEHP o "Dia Delas", um evento que será aberto ao público, com foco nas portadoras de Endometriose, com palestras de diversos especialistas. 

Confira os principais sintomas

Cólica menstrual (presente em 90-95% dos casos)
Dor profunda na vagina ou na pelve durante relação sexual
Dor pélvica contínua não relacionada a menstruação
Obstipação intestinal ou diarréia no período menstrual
Dor para evacuar
Sangramento nas fezes
Dor para urinar
Sangramento na urina
Infertilidade

Fonte: Sociedade Brasileira de Endometriose e Geniecologia Minimamente Invasiva


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.