Crime Morte de gatos na Beira Rio é investigada pela polícia

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 25/04/2019 20:43 Atualizado em: 25/04/2019 21:36

Crédito: Bruna Costa/Esp DP
Crédito: Bruna Costa/Esp DP
Uma investigação foi aberta pela Polícia Civil para apurar a morte de mais de 30 gatos na Avenida Beira Rio, na Zona Norte do Recife. Os animais, que costumam ser abandonados nas proximidades da ponte da Torre, teriam sido envenenados nos dois últimos fins de semana. Parte deles, também teria sido jogada no Rio Capibaribe. O caso, considerado uma chacina pelos ativistas da causa, rememora outros episódios de maus-tratos com os gatos deixados na localidade e é reflexo de uma situação que nunca teve solução definitiva. Em função da prática e para pedir medidas de proteção aos bichos, representantes da sociedade civil realizarão, no próximo sábado, um protesto.

Durante o último fim de semana, nove gatos foram encontrados mortos na Beira Rio. Três cadáveres estavam boiando no rio, outro estava sobre a pista de cooper. “Geralmente isso ocorre nos fins de semana, pois são dias que não transitam tantas pessoas por lá. No fim de semana anterior a esse, foram encontrados 19 gatos mortos. A maioria deles filhotes, que provavelmente são mais vulneráveis ao envenenamento”, contou a empresária Milena Coutinho, 26 anos. “Algo parecido já havia ocorrido há cerca de três anos, inclusive motivando outro protesto no mesmo local. Agora, foram 31 animais assassinados em cerca de 10 dias”, explicou a ativista da causa animal e vereadora do Recife Goretti Queiroz (PSC).

De acordo com elas, o problema é subjacente a outro: o abandono dos gatos na localidade. “É uma prática frequente. Lá é como se fosse um ponto de desova”, explicou Milena. “Aquele é um local onde infelizmente é conhecido por ser ponto de abandono há uns cinco, sei anos. A gente tira 10 gatos, mas aparecem 20. Ontem mesmo parou um carro branco e jogou uma caixa com cinco filhotes, como se ali fosse uma descarga de lixo”, afirmou Goretti Queiroz. Estima-se que existam na área hoje entre 70 a 100 animais. Na tarde desta quinta-feira (25), a reportagem do Diario esteve na Beira Rio e contabilizou pelo menos 40 gatos espalhados na região da academia da saúde, entre filhotes e gatos maiores. Alguns deles aparentando debilidade física.

Todas as tardes, um grupo de protetores vai ao local, alimentar e dar medicamentos aos bichos. A maioria dos adultos são castrados. “Sempre que possível, levamos alguns para feiras de adoção. Os gatos não merecem morrer de fome nem de maus-tratos”, opina Milena, que mantém uma página nas redes sociais para adoção de gatos. A presença dos bichos desagrada parte da vizinhança e, em consequência disso, estariam acontecendo as mortes, afirmam alguns moradores do bairro entrevistados pelo Diario e ativistas da causa animal.

“Nós, protetores, sempre tomamos a frente, mas é obrigação do poder público cuidar dos animais abandonados. Fomos até a delegacia denunciar e, por conta própria, vamos colocar um sistema de controle e segurança lá, com câmeras, para inibir a prática. Também solicitamos a manutenção da iluminação, que estava quebrada, e rondas permanentes da guarda municipal”, disse Goretti. No sábado, o grupo se reúne a partir das 14h no espaço. Munidos de cartazes e velas, eles terão o apoio do movimento Vozes em Luto Nordeste, e realizarão intervenções artísticas para evidenciar o problema.

Maus-tratos são crime previsto na legislação
Crédito: Bruna Costa/Esp DP
Crédito: Bruna Costa/Esp DP
Há 21 anos, a Lei Federal 9.605 estabelece que maus-tratos contra animais é crime no país. Quem comete agressões físicas, abandono ou tráfico de animais silvestres, domésticos ou domesticados, é passível de punição. O procedimento policial instaurado para apurar as mortes está tramitando na Delegacia de Polícia do Meio Ambiente. A delegada Maria Elizabeth Patriota está à frente das investigações.

De acordo com a polícia, “estão sendo realizadas diligências para elucidar a autoria do crime contra os animais” e realizados contatos com os ativistas para a busca de adoção responsável. A Polícia Militar informou que mantém a área da Beira-Rio sob constante vigilância, através de rondas com viaturas e motopatrulheiros. Denúncias sobre maus-tratos podem ser realizadas pelo número 190.

A prefeitura do Recife afirmou que tem acompanhado a situação dos gatos da Beira Rio e atua no controle da natalidade. A gestão afirmo que equipes da Secretaria Executiva dos Direitos dos Animais (Seda) realiza semanalmente resgate dos animais para castração. A Seda também envia equipes de fiscalização ao local sempre que recebe denúncias de maus tratos.

Sobre maus tratos, a Seda também disponibiliza canais de denúncia para a população do Recife. Qualquer cidadão que verifique a prática pode realizar a queixa, pelo número 3355.8371, pela Ouvidoria (no endereço de e-mail ouvidoria@recife.pe.gov.br) ou por meio do número 0800 281 0040. A respeito da colocação de câmeras de segurança, a Secretaria de Segurança Urbana do Recife informou que está estudando a solicitação de instalação dos equipamentos e acrescentou que a Guarda Municipal monitora o bairro da Torre frequentemente com viaturas. Já a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb) disse que realizou uma vistoria no local e a área está com iluminação sem sinais de vandalismo. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.