Abastecimento Água salobra causa transtornos a moradores de Casa Amarela

Publicado em: 23/04/2019 15:20 Atualizado em: 23/04/2019 17:39

Crédito: Arquivo Pessoal
Crédito: Arquivo Pessoal

Moradores do bairro de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife, estão denunciando que há um mês a água fornecida pela Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) tem chegado salobra às residências. De acordo com denúncias recebidas pelo Diario, o líquido de cor amarelada em causado diversos transtornos na vizinhança e até agora o órgão não teria se posicionado sobre o caso. Em outros bairros do Recife, assim como outras cidades da Região Metropolitana, o problema também teria sido constatado pelos moradores.

Segundo o advogado Paulo Henrique Lima, morador de Casa Amarela, entre os transtornos listados estão roupas claras que estão sendo manchadas e aumento nas despesas com a compra de água mineral. "Para cozinhar, por exemplo, não estamos utilizando a água da Compesa. No meu caso, ainda tenho um agravante, pois tenho que colocar minha filha, um bebê de quase um ano, para tomar banho nessa água amarelada. Por mais que se diga que a água está própria para o consumo, sabemos que ela deve ser límpida, ou seja, sem cor", reclamou o morador. 
 
Em nota, a Compesa informou que, em função do reduzido volume de água nos mananciais da Região Metropolitana, está ocorrendo uma maior concentração de ferro e manganês na água bruta a ser tratada. O órgão disse que tem intensificado as ações na Estação de Tratamento de Água Castelo Branco, bem como ao longo do sistema de distribuição, no intuito de reverter a coloração da água observada nos bairros do Recife: Engenho do Meio, Casa Amarela, Iputinga, Várzea, além de Camaragibe e Jaboatão Centro. 

A Compesa acrescentou ainda que "está fazendo todos os ajustes necessários na ETA, com o uso de oxidantes na intenção de remover estes elementos e retomar com maior brevidade a condição de cor da água distribuída. Além disto, tem intensificado o monitoramento da água tratada nas localidades reclamadas, sendo realizadas descargas ao longo da rede de distribuição, na intenção de acelerar esta renovação da água e remover as incrustações presentes na rede de distribuição, que fazem parte da limpeza preventiva".

O órgão reiterou ainda que a coloração da água tem um efeito estético e não representa nenhum a risco à saúde das pessoas, estando apropriada para o consumo humano. Porém, entende que essa não é a situação desejável. "A tendência é que a situação seja normalizada, à medida que a água seja renovada nos reservatórios e na rede de distribuição, nos próximos dias. As ações estão sendo tomadas na intenção de manter a produção sem comprometimento do abastecimento a população, no entanto eventuais paradas no sistema serão necessárias para intervenções importantes no sistema de tratamento", complementou o informe da companhia. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.