Requalificação Uma Boa Vista para os pedestres

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 17/04/2019 08:00 Atualizado em: 24/04/2019 21:48

Entre as mudanças mais importantes, está o retorno das paradas de ônibus convencional para as calçadas.
Foto: Marlon Diego/ArquivoDP. (Entre as mudanças mais importantes, está o retorno das paradas de ônibus convencional para as calçadas.
Foto: Marlon Diego/ArquivoDP.)
Entre as mudanças mais importantes, está o retorno das paradas de ônibus convencional para as calçadas. Foto: Marlon Diego/ArquivoDP.
Pelo menos 170 mil pedestres trafegam diariamente na Avenida Conde da Boa Vista, apenas no trecho entre a Rua da Aurora  e a Rua Gervásio Pires, onde está localizado o cruzamento mais movimentado da via mais importante do Centro do Recife. Mas não só isso. Em seus 1,6 km de extensão, quase metade da circulação é feita a pé, já que é uma avenida essencialmente comercial e de serviços. Segudo estudo realizado pela Prefeitura do Recife, 6,8 mil pedestres atravessam os cruzamentos da Conde da Boa Vista a cada hora. 

Ainda assim, de sua construção até as obras de requalificação realizadas até agora, a infraestrutura da via foi pensada para quem trafega em automóveis particulares ou transporte coletivo. O projeto da Nova Conde da Boa Vista pretende mudar essa realidade, com calçadas mais largas, arborização, diminuição das distâncias entre as faixas de pedestres e aumento do tempo semafórico para fazer as travessias. 

Entre as mudanças mais importantes, está o retorno das paradas de ônibus convencional para as calçadas. Já as estações de BRT serão reduzidas a duas, mas com nova roupagem. Para garantir o conforto de quem trafega a pé, os passeios serão ampliados em até 2,3 metros e as esquinas dos cruzamentos também serão alargadas. 

“Algumas rampas de acessibilidade que possuem inclinação inadequada serão readequadas e será implantado o piso tátil e direcional, sobretudo nas áreas onde a calçada se alarga ou tem um posto de gasolina, por exemplo. Isso é necessário para que o pedestre com deficiência visual consiga diferenciar o caminho. Pela Avenida Conde da Boa Vista trafegam muitas pessoas com mobilidade, como no cruzamento da via com a Rua da Soledade, onde funciona a Fundação Altino Ventura”, disse a coordenadora do projeto da Nova Conde da Boa Vista e diretora de Projetos Especiais da Secretaria de Infraestrutura do Recife, Eduarda Campos.


Segundo ela, quem anda a pé será priorizado também na programação semafórica. Ou seja: o sinal passará a abrir para o pedestre mais vezes e o tempo de espera para atravessar a rua será reduzido em 50%. “Será respeitada também a velocidade de travessia de idosos e crianças. Os manuais indicam que esse tempo médio é de 0,7m/s. Mas a nossa programação será de 0,5m/s, para que as pessoas possam atravessar com segurança”, garantiu Eduarda. Hoje, o pedestre sequer tem tempo de chegar de um lado a outro da Conde da Boa Vista sem ficar no meio da avenida ou precisar correr. “Outro ganho são as ilhas no canteiro central ajardinado para quando o pedestre atravessar no fim do tempo semafórico para ele”, completou a coordenadora. Para garantir a segurança, a velocidade máxima permitida para circulação dos veículos automotores será reduzida de 50km/h para 40km/h.

Um problema crasso na conde da boa vista, em relação aos pedestres, é a distância entre as faixas de pedestres e os semáforos, fazendo com que muita gente atravesse a avenida fora do local adequado. Além disso, existem algumas faixas pintadas no chão, sem semáforo. Após a reforma, as travessias serão ampliadas de cinco para 13. Em alguns pontos, haverá piso elevado e todos os pontos semafóricos serão sinal sonoro. “A distância entre uma faixa e outra é de 150 metros. Mas o pedestre andará no máximo 75 metros para encontrar uma travessia”, destacou Eduarda Campos.
 



O novo projeto também prevê um novo mobiliário urbano, com mais lixeiras, iluminação em LED e postes mais baixos adequados para o pedestre, bicicletários públicos para quem chegar à via de bicicleta e floreiras nas calçadas. Noventa novas árvores, das espécies Ipê e Sibipiruna, serão plantadas. De médio porte, além de garantir sombreamento, as raízes dessas espécies não danificam as calçadas, garantiu Eduarda Campos. Algumas espécies existentes hoje mas inadequadas, como as que apresentam espinhos, serão retiradas. 

“Serão investidos cerca de R$ 15 milhões com recursos próprios da Prefeitura do Recife e a expectativa é concluir e entregar a obra no final de 2020”, explicou o secretário de Infraestrutura e presidente da Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), Roberto Gusmão. Quem quiser saber mais sobre o projeto, pode acessar os detalhes e o andamento das obras através do site novacondedaboavista.recife.pe.gov.br.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.