Análise Ipem fiscaliza produtos mais vendidos durante a Páscoa

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 16/04/2019 07:14 Atualizado em:

Técnicos de laboratório analisam se peso líquido informado na embalagem está correto.
Foto: Mandy Oliver/DP (Técnicos de laboratório analisam se peso líquido informado na embalagem está correto.
Foto: Mandy Oliver/DP)
Técnicos de laboratório analisam se peso líquido informado na embalagem está correto. Foto: Mandy Oliver/DP

Com a proximidade da Páscoa, comemorada no próximo domingo (21), o Instituto de Pesos e Medidas de Pernambuco (Ipem) está realizando análises dos produtos mais vendidos nesta época do ano. Para monitorar se os consumidores levam para casa a mesma quantidade que consta na embalagem, ovos de páscoa, barras de chocolate, pescados enlatados e leite de coco, por exemplo, passam por vistorias no comércio e na sede do Ipem, localizada na Cidade Universitária.

O trabalho dos fiscais e dos técnicos de laboratório começaram logo após do carnaval. São coletados cerca de 10 produtos do mesmo tipo que seguem para o laboratório do Instituto, onde serão pesados. Primeiro o conteúdo por completo vai para a balança, depois apenas a embalagem. Um sistema faz a contagem e dá o resultado final demonstrando se o produto realmente tem o correspondente à quantidade que consta no pacote.

De acordo com a supervisora do laboratório de produtos pré-embalados, Eduarda Santana, caso a indústria ou o estabelecimento comercial não cumpra as normas devidas, pode sofrer penalidades que vão de advertências a multas de até R$ 1,5 milhão. "A partir do relatório que emitimos após as análises, o setor jurídico avalia se a empresa está em conformidade, se houve reincidência para que seja majorada a penalidade", esclarece.

Uma das maneiras de o consumidor garantir que está comprando a quantidade exata que consta na embalagem é comparar, segundo a supervisora. "Ao ver a quantidade indicativa em cada produto, é possível pegar mais de um item e conferir se estão com as mesmas medidas e pesos. Caso o consumidor suspeite de alguma irregularidade, pode denunciar através da nossa ouvidoria que iremos apurar", esclarece. Para denunciar, basta fazer uma ligação gratuita para o telefone 0800 081 1526.

Além da pesagem, fiscais analisam se ovos de páscoa com brinde possuem idade indicativa para o brinquedo e selo do Imetro.
Foto: Mandy Oliver/DP (Além da pesagem, fiscais analisam se ovos de páscoa com brinde possuem idade indicativa para o brinquedo e selo do Imetro.
Foto: Mandy Oliver/DP)
Além da pesagem, fiscais analisam se ovos de páscoa com brinde possuem idade indicativa para o brinquedo e selo do Imetro. Foto: Mandy Oliver/DP
As análises vão até o final desse mês de abril, quando será possível divulgar o resultado de quantos produtos foram reprovados nos testes. Mais de 200 pesagens já foram feitas em todo o estado de Pernambuco. Tanto massa, dimensão e volume são examinados e a quantidade coletada pelos fiscais nos pontos de venda corresponde à parcela que está exposta ao consumidor. Também são supervisionados se os ovos de páscoa que contém brinquedos estão com o selo do Imetro e a faixa etária indicativa à mostra.

Como todas as embalagens são abertas para pesagem, os alimentos são doados para oito instituições beneficentes localizadas nos municípios de Caruaru, Arcoverde, Águas Belas e no Grande Recife. "Fazemos o controle do período de validade de todos os produtos. Aquilo que não pode ser aproveitado, como o atum enlatado, por exemplo, que não tem como ser armazenado novamente, nós descartamos", explica Eduarda.

Preço
Pesquisa realizada de 8 a 11 de abril pelo Procon Recife em sete grandes supermercados identificou diferença de até 91% nos preços de produtos da Semana Santa, como ovos de Páscoa e peixes. O estudo leva em conta mercadorias das mesmas marcas e pesos. A maior diferença entre os ovos de chocolate foi identificada no Laka de 170g, que variou de R$ 24,90 a R$ 37,99 (52%).

Entre os peixes, a maior discrepância foi encontrada no quilo do filé de merluza, vendido por valores de R$ 18,62 a R$ 35,61 - 91% de disparidade. Com relação ao quilo do camarão, foram constatados preços de R$ 104,75 a R$ 166,22, diferença de 58%. Para a secretária-executiva do Procon Recife, Ana Paula Jardim, as diferenças ligam um sinal de alerta para o consumidor. “ A pesquisa é valiosa para quem deseja economizar”, salienta.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.