PROTESTO Moradores da Travessa do Gusmão fazem protesto no bairro de São José

Publicado em: 15/04/2019 16:59 Atualizado em: 15/04/2019 18:00

Moradores reclamam de fossa estourada há vários dias. Foto: Tarciso Augusto / Esp. DP Foto
Moradores reclamam de fossa estourada há vários dias. Foto: Tarciso Augusto / Esp. DP Foto

Moradores do habitacional Travessa do Gusmão, no bairro de São José, realizaram um protesto no local, há pouco, queimando colchões e peças de madeira na avenida. O trânsito na área ficou lento. Guarda municipal e Polícia Militar apareceram para impedir a manifestação e retiraram colchões do fogo. O Corpo de Bombeiros também foi acionado. De acordo com os moradores, muitos deles crianças e mulheres, a motivação do protesto é a existência de uma fossa estourada no local, que vem causando transtorno.
 
Priscila Cristine, 29, aposentada, diz que desde o dia 28 de março vem acontecendo o problema. “A Compesa e Emlurb chegam, tiram foto e vão embora. Estamos sendo bastante prejudicados com isto. Uma cadeirante, por exemplo, está há 15 dias sem poder ir para a faculdade porque não pode passar pela água”, afirma. 

Rita de Kássia, 36, dona de casa, está no sétimo mês de gestação e caiu na rua por causa do alagamento na via. Não sofreu prejuízos à gravidez, mas teve muitos arranhões na perna. “Todo dia levo o café para o meu marido, que é vigilante. Fui passar pelo cantinho do muro, o único espaço disponível, e escorreguei. Até porque tudo em volta já criou lodo. A Emlurb veio antes de ontem, mas não desentupiu a fossa, então, nada mudou. Ligamos para Compesa, mas a única coisa que ela faz é gerar números de protocolo. Estamos indignados porque pagamos a conta de água, que inclui o pagamento da taxa de esgoto”, desabafa.

Foto: Tarciso Augusto / Esp. DP Foto
Foto: Tarciso Augusto / Esp. DP Foto


Por meio de nota, a Emlurb informou que realizou uma ação paliativa com um jato de sucção no local. O órgão informa ainda que uma vistoria conjunta com a Compesa está agendada para esta terça-feira (16) pela manhã para identificar o problema.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.