Forças Armadas Operação do exército fiscaliza comércio ilegal de armas e munições no bairro de Afogados

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/04/2019 11:04 Atualizado em: 09/04/2019 11:16

Exército fiscaliza lojas de armas e clubes de tiro em Operação contra comércio ilegal de produtos controlados.
Foto: Gabriel Melo/ArquivoDP. (Exército fiscaliza lojas de armas e clubes de tiro em Operação contra comércio ilegal de produtos controlados.
Foto: Gabriel Melo/ArquivoDP.)
Exército fiscaliza lojas de armas e clubes de tiro em Operação contra comércio ilegal de produtos controlados. Foto: Gabriel Melo/ArquivoDP.

Uma Operação nacional está sendo realizada pelo exército nesta terça-feira (9) para combater o comércio ilegal de armas e munições, no Recife. Através do Sistema de Fiscalização de Produtos Controlados (SisFPC), a Operação Alta Pressão VIII, como foi denominada, percorre lojas de armas e carregamentos, além de clubes de tiro que são cadastrados pelo exército. 

No Recife serão fiscalizadas 23 empresas a fim de coibir o cometimento de crimes com o uso desses produtos controlados pelas Forças Armadas. Militares do exército estão por todo estado de Pernambuco realizando a fiscalização, que começou na manhã de hoje, pelo bairro de Afogados. de acordo com o exército, ateriormente à Operação, é realizado um levantamento prévio por parte da área de inteligência quais são os principais alvos e riscos.

A primeira operação do gênero ocorreu em 2015. Nos ano passado, a Operação Alta Pressão VII, ocorrida em outubro de 2018, foram apreendidas 41.288 munições, 1.135 armas de fogo, 172 armas de pressão entre elas 22 airsoft e duas lunetas de uso restrito em todo o país. Ao todo, 95 empresas foram autuadas por irregularidades administrativas no trato com Produtos Controlados pelo Exército (PCE).

Produto Controlado
Para que um produto seja “controlado pelo exército”, ele precisa ter poder de destruição ou outra propriedade de risco. Além disso, é necessário que o uso seja restrito a pessoas físicas e jurídicas legalmente habilitadas. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.