Capacitação Tuberculose é discutida em seminário para profissionais de saúde

Publicado em: 28/03/2019 16:51 Atualizado em:

Foto: Ikamahã/Divulgação Sesau.
Foto: Ikamahã/Divulgação Sesau.
Profissionais da rede de atenção básica de saúde do Recife passaram por uma capacitação sobre o desenvolvimento de ações de controle e prevenção da tuberculose, nessas terça (26) e quarta-feira (27), na Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Educadores do Recife Professor Paulo Freire, na Madalena. Promovidos pela Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife, os seminários aconteceram para lembrar o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, celebrado no último domingo (24).

Nesta sexta-feira (29), a ação em alusão ao Dia da Tuberculose será aberta à população, na Upinha UR 4/5, no Ibura. Entre 8h e 12h, as pessoas poderão fazer coleta do escarro e o teste de Mantoux, usados no diagnóstico da tuberculose, para identificar as bactérias que causam a doença. Além disso, os pacientes farão teste rápido de HIV e também assistirão a palestras sobre os sintomas, formas de prevenção e contágio, além de aprenderem mais sobre a importância do diagnóstico precoce.

Nessa quarta, as atividades voltadas aos médicos e enfermeiros abordaram o protocolo de vigilância da infecção latente da tuberculose, que compreende as pessoas que estão com a bactéria (Bacilo de Koch) no organismo, mas não manifestam a doença (não a transmitem e nem apresentam os sintomas).

Segundo a coordenadora Municipal de Tuberculose do Recife, Silvana Lira, esse público representa 5% dos indivíduos que entram em contato com pessoas infectadas. “Em qualquer momento da vida que a imunidade do paciente baixe, ele virá a adoecer. Então, dentro da nova estratégia de enfrentamento da tuberculose, um dos pilares é focado na questão da prevenção desta forma latente e isso é o que foi trabalhado nesses eventos”, detalha.

Para as equipes de agentes comunitários de saúde, odontológos, técnicos de saúde bucal, técnicos de enfermagem e também dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) da Prefeitura do Recife, foram apresentadas as ações intersetoriais do controle de tuberculose, para que eles atuem como multiplicadores da educação em saúde. Mesmo que eles não lidem diretamente com a doença, a ideia é torna-los aptos a identificar precocemente a tuberculose, apoiar e encaminhar para as unidades de saúde quem têm tosse há mais de duas semanas, febre e perda de peso, assim também como febre, cansaço, dor no peito, suor noturno e falta de apetite.

Valquíria Batista é agente comunitária de saúde na Unidade de Saúde da Família (USF) Coque/Dr. Berilo Pernambucano e acredita que ter participado dos seminários lhe trouxe ainda mais conhecimento para atuar no controle da tuberculose. “Essa é uma oportunidade única para mim, me traz um direcionamento muito bom. Foi maravilhoso conhecer os dados do município e receber instruções de como melhorar a minha forma de trabalho para contribuir com a comunidade, que fica em uma região muito vulnerável”, vibra a profissional.

TUBERCULOSE – A tuberculose é uma doença infectocontagiosa causada por uma bactéria (Bacilo de Koch). É curável, mas pode matar se não for tratada adequadamente. A tuberculose é mais comum no pulmão, mas também pode afetar ossos, rins, olhos, meninges, pele etc. O tratamento é feito com antibióticos e dura, em média, seis meses.

Para atender as doenças negligenciadas transmissíveis como tuberculose,  hanseníase, filariose e geo-helmintíase, a Prefeitura do Recife criou, em 2013, o programa Sanar Recife, que promove o enfrentamento das doenças por meio de estratégias de prevenção e tratamento. O programa da Sesau faz assessoramento de unidades de saúde, acompanhamento e tratamento de casos, investigação, fortalecimento da assistência laboratorial, da rede de atenção básica e promoção de ações de educação em saúde.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.