• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Agreste Caruaru registra quatro novos tremores de terra Os abalos sísmicos foram captados pelo Laboratório da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que monitora o Nordeste brasileiro

Por: Larissa Rodrigues - Diario de Pernambuco

Publicado em: 03/02/2015 17:00 Atualizado em: 03/02/2015 21:12

Epicentro foi registrado a cinco quilômetros do Centro de Caruaru.
Reprodução/Laboratório Sismológico da UFRN (Reprodução/Laboratório Sismológico da UFRN)
Epicentro foi registrado a cinco quilômetros do Centro de Caruaru. Reprodução/Laboratório Sismológico da UFRN
Os moradores de Caruaru, cidade do Agreste pernambucano, vivenciaram tremores de terra na manhã e na tarde desta terça-feira (3). No final da manhã, aconteceram três 'estrondos', como a população local chama os abalos. À tarde, às 16h40, um outro abalo foi sentido. O Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) registra os tremores de terra que ocorrem no Nordeste brasileiro.

De acordo com o órgão, o
s eventos desta terça foram captados por diversas estações operadas pela UFRN. O principal, de magnitude 2.0, ocorreu às 11h51 e foi precedido por um tremor de magnitude 1.6. Um outro tremor, de magnitude 1.7, ocorreu às 12h30. Às 16h38, ocorreu o mais forte dos eventos, de 2,5. O epicentro preliminar foi localizado a aproximadamente cinco quilômetros do Centro de Caruaru, nas imediações do bairro do Salgado.

Reprodução/Facebook (Reprodução/Facebook)
Reprodução/Facebook
Segundo o laboratório, "há informações não confirmadas de que o abalo teria sido sentido em São Caetano e Toritama, também no Agreste.
Essa não foi a primeira vez que a cidade viu o chão tremer. De acordo com o laboratório, "a atividade sísmica em Caruaru é cíclica e passa por períodos intensos e de calmaria, às vezes com a ocorrência de sismos isolados sentidos pela população", como os de hoje. Ainda de acordo com as informações do órgão, é impossível prever a evolução da atividade sísmica, ou seja, a UFRN não tem como saber se se trata de um espasmo ou se é o início de uma nova fase de intensa atividade sísmica, como ocorreu algumas vezes em Caruaru.

Humor - A população local não perdeu tempo e os tremores desta terça foram parar no Facebook. Além dos vários comentários a respeito do assunto, um evento com o nome "Abalo sísmico em Caruaru" foi criado para repercutir o ocorrido. Uma usuária comentou "t
emos que ficar embaixo das portas para não morrer se evoluir pra terremoto? kkkkkkkkkk". Um outro integrante da página criou uma capa de filme com o nome da cidade.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.