investigação Ex-corregedor da Fazenda de SP é preso sob suspeita de cobrar propina dos investigados

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 06/06/2019 10:13 Atualizado em:

O ex-corregedor da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Marcus Vinícius Vannucchi foi preso na manhã desta quinta-feira (6) em Itatiba, interior de São Paulo. Foto:  Reprodução/Google Maps
O ex-corregedor da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Marcus Vinícius Vannucchi foi preso na manhã desta quinta-feira (6) em Itatiba, interior de São Paulo. Foto: Reprodução/Google Maps
Marcus Vinícius Vannucchi, ex-corregedor da Secretaria da Fazenda de São Paulo, foi preso na manhã desta quinta-feira (6), sob suspeita de cobrar propina de fiscais que eram investigados pelo órgão.

Ele havia sido substituído pelo governo João Doria no último sábado (2), sob a justificativa de questões familiares.

A prisão ocorreu em Itatiba (a 84 km da capital), em uma operação da Polícia Civil e do Gedec, grupo do Ministério Público de São Paulo responsável por crimes financeiros. É temporária, com prazo de cinco dias, renováveis.

Segundo a Promotoria, ele foi encontrado na casa da ex-mulher. O órgão diz que, depois que ele se separou, passou todo o seu patrimônio para ela -uma suposta tentativa de fraude para se livrar dos bens ilícitos.

As investigações vêm ocorrendo há um ano e apuram suspeitas das práticas dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. A reportagem não conseguiu localizar a defesa do ex-corregedor.

Vannucchi estava no cargo desde 2016 e foi afastado pela gestão João Doria no último sábado (2), a sete meses do fim de seu mandato, sob a justificativa de que "o próprio servidor apresentou à administração pedido para que cessasse sua designação, em razão de questões de ordem familiar".

Como a Folha de S.Paulo revelou, Vannucchi abriu processos administrativos contra servidores que se dispuseram a informar ao Ministério Público suspeitas de irregularidades dentro da Secretaria da Fazenda.

Sob o comando de Vannucchi, por exemplo, a corregedoria tentou demitir funcionário que ajudou o Ministério Público a investigar a chamada máfia do ICMS, acusada de cobrar propina de grandes empresas para reduzir a cobrança do tributo.

Também tomou outras decisões questionadas internamente, como o arquivamento de processos administrativos relacionados a agentes tributários investigados em operações policiais.

Um deles aconteceu em abril do ano passado, relativo à Operação Cadeia Alimentar, deflagrada pela Polícia Federal e do Ministério Público de São Paulo. Os órgãos apuravam suspeitas de crimes relacionados a empresas distribuidoras de merendas a escolas públicas.

Agentes fiscais de rendas foram alvos da ação por suposto recebimento de propinas dessas empresas.

Ao analisar o caso de um desses funcionários, Vannucchi entendeu que foi apresentada "farta documentação" que provava que não havia irregularidades no patrimônio do servidor.

Em 2017, também pediu o arquivamento, por falta de provas, de um caso de suspeita de enriquecimento ilícito de um delegado regional tributário. O funcionário era investigado pelo Grupo Especial de Combate a Delitos Econômicos do Ministério Público de São Paulo.

A Promotoria chegou a abrir uma investigação sobre um agente fiscal que é sócio da ex-mulher de Vannucchi, também por suspeitas de enriquecimento ilícito, mas o inquérito foi arquivado no ano passado.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.