Recorrência Ex-governador Beto Richa é denunciado pela 3ª vez na Lava Jato

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 05/06/2019 23:11 Atualizado em:

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
 A força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal denunciou nesta quarta (5) o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) e outras seis pessoas pelos crimes de corrupção ativa e passiva, fraude licitatória e lavagem de dinheiro envolvendo as obras de duplicação de uma rodovia estadual, em 2014.

É a terceira denúncia contra o tucano no âmbito da operação. Segundo a Procuradoria, aliado ao ex-assessor Ezequias Moreira, ao irmão, o ex-secretário José Richa Filho, e a dois empresários, Rafael Gluck e José Maria Ribas Muellet, o ex-governador fraudou a licitação para exploração e duplicação da PR-323, que liga Maringá a Francisco Alves, no noroeste do Paraná.

Eles teriam agido em favor do Consórcio Rota das Fronteiras, composto pelas empresas Tucumann Engenharia e Odebrecht.
Para garantir êxito na licitação, os agentes públicos teriam descumprido formalidades e, em troca, recebido de R$ 7,5 milhões.
"Era, na realidade, a maior licitação da história da pasta. O contrato representava recebimentos totais na órbita de R$ 7,7 bilhões", narra a denúncia.

O ex-assessor de Richa Deonilson Roldo teria recebido R$ 4 milhões da Odebrecht em nome de Richa, do irmão e de Ezequias. O contador Dirceu Pupo e Luiz Abi Antoun, primo de Richa, teriam atuado como intermediários do negócio.

Parte do esquema foi descoberto no "setor de propinas" da Odebrecht, que revelou pagamentos superiores a R$ 3,5 milhões para o codinome "Piloto", utilizado para identificar Richa. Segundo a denúncia, Richa teria recebido ainda cotas de imóvel de R$ 3,4 milhões a título de propina.

A defesa de Antoun diz que ele comprovará a inocência. E a de "Pupo, que a denúncia "é equivocada e não encontra respaldo em elemento probatório". A Tucumann foi contatada, mas não quis se pronunciar. A reportagem não conseguiu contato com os demais acusados.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.