Previdência Mais da metade das aposentadorias nos Estados e municípios são especiais, mostra Narlon Gutierre

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 23/05/2019 21:00 Atualizado em:

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
As discussões na Comissão Especial que debate a reforma da Previdência (PEC 06/2019) ficaram mais calorosas depois que Narlon Gutierre Nogueira, secretário adjunto de Previdência do Ministério da Economia, apresentou dados oficiais apontando que, nos Estados e nos municípios, o impacto das aposentadorias especiais no orçamento é muito grande. Por isso, esses entes federativos não podem ficar fora das alterações propostas pela União, já que cerca de 56% de todas as aposentadorias são especias.

De acordo com Nogueira, 19% do total são aposentadorias de policiais militares; 32%, de professores; 4%, de policiais civis; 1% de agentes penitenciários; e apenas 44% de outros tipos de aposentadorias.

O discurso de Gutierre teve o objetivo de apontar a necessidade de ajustes nesses desembolsos e na idade mínima desses profissionais. O relatório foi apresentado justamente no dia em que a comissão especial discutia o futuro de policiais, professores e outras categorias, diante da necessidade de corte nos gastos, proposto pelo Poder Executivo, de R$ 1,2 trilhão em 10 anos.

O secretário adjunto mostrou que, no caso dos professores, a maioria está nos estados e municípios. Do total de 1,520 milhão, 770 mil estão nos Estados e 750 mil, nos municípios, com prevalência de mulheres, na faixa etária média de 55 anos. Na União, são apenas 45 mil professores. “Os critérios diferenciados de aposentadoria têm grande impacto da reforma da Previdência. Por isso, reforço a importância de que as mudanças valham para todos os entes”, destacou Narlon Guitierre.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.