Confusão Deputado pelo PSL, Coronel Tadeu ataca recriação de ministérios: toma-lá-dá-cá

Por: AE

Publicado em: 11/05/2019 12:15 Atualizado em:

Foto: Reprodução/ YouTube
Foto: Reprodução/ YouTube
Na contramão das manifestações feitas nesta semana pela liderança do PSL na Câmara, o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) afirma que a maioria dos parlamentares da legenda posicionou-se de maneira contrária à recriação dos ministérios das Cidades e da Integração Nacional e afirmou que a medida faz com que fique "declarado o toma-lá-dá-cá" no governo do presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista ao Broadcast Político, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado, ele afirmou que um grupo de parlamentares da sigla levou esse posicionamento ao presidente, em um encontro reservado. 

De acordo com o parlamentar, não haveria objeção ao desmembramento de pastas caso houvesse o entendimento de que é de fato necessário desafogar o Ministério do Desenvolvimento Regional do ponto de vista administrativo. No entanto, ele afirmou que a decisão ocorreu em um "momento muito estranho" e em meio a pressões do chamado Centrão por cargos no governo. 

"Nesta semana, surgiu a possibilidade de recriação de dois ministérios. Nesse ponto, eu e o PSL fomos contrários a esse tipo de comportamento. Porque fica declarado um toma-lá-dá-cá", afirmou o parlamentar, reconhecendo que houve uma contrapartida em troca de apoio no Congresso, tendo em vista a votação da MP 870 - que trata da reforma administrativa - e da reforma da Previdência. "Essa contrapartida não caiu bem no PSL. Por que isso neste momento? Porque a gente sabe que há uma pressão em relação à Comissão Especial da Previdência", emendou. 

"O partido (PSL) está contrário mesmo a essa decisão. Não acho que é o melhor momento para criar um ministério sem a menor necessidade. E por que condicionar isso a outro assunto que não tem nada a ver, que é a reforma da Previdência?", continuou. "Não queremos que transpareça para a população que o presidente Bolsonaro cedeu e agora está disposto a fazer o toma-lá-dá-cá. Isso é horrível para o governo. Aprova-se a Previdência, no entanto a imagem do governo cai em total descrédito. É isso que não queremos."

Armas. 

O deputado também comentou a assinatura do decreto que flexibilizou o porte de armas, assinado nesta semana por Bolsonaro. Sobre o entendimento de que haveria pontos inconstitucionais no texto, o parlamentar disse não compartilhar dessa avaliação. Ele apontou como exemplo de um dos "benefícios" trazidos pelo decreto a flexibilização do porte em áreas rurais.

Citando especificamente o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), ele apontou a necessidade de reação a invasões de propriedades em que há depredação do patrimônio. "Isso não vai mais acontecer. Entrou na minha propriedade, então se prepara para eu defender a minha vida, da minha família e a minha propriedade."


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.