governo bolsonaro Militares defendem Villas Bôas e mandam recado a Olavo em vídeo não oficial

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 10/05/2019 12:49 Atualizado em: 10/05/2019 12:52

Eduardo Villas Boas ao lado do ministro da Defesa Fernando Azevedo. Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Eduardo Villas Boas ao lado do ministro da Defesa Fernando Azevedo. Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Os militares continuam mais unidos do que nunca na defesa da categoria. Em vídeo não oficial, que circula nas redes sociais de oficiais da Força Armada, mensagens de apoio sobrepostas a imagens de ministros do alto escalão do governo demonstram apoio ao general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército. Ao longo da semana, ele foi chamado de “doente preso a cadeira de rodas” pelo escritor Olavo de Carvalho, “guru” do presidente Jair Bolsonaro.

Sem fazer qualquer menção ao ideólogo, o vídeo expressa a mensagem de que provocações ao ex-comandante do Exército não serão toleradas sem respostas. “Mexeu com Villas Bôas, mexeu com o Exército de Caxias”, destaca, inicialmente, a publicação. A frase faz referência a Luís Alves de Lima e Silva, o “Duque de Caxias”, patrono do Exército brasileiro. 

O som do vídeo transmite um tom de suspense enquanto mostra imagens de generais do alto escalão do governo ao lado de Villas Bôas. São os casos dos ministros-chefe da Secretaria de Governo, Santos Cruz — que foi hostilizado por Olavo ao longo da semana — e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno. Além deles, a publicação também apresenta o vice-presidente Hamilton Mourão. Todos aparecem próximo do ex-comandante do Exército.

A película classifica o “Exército de Caxias” como o guardião dos valores morais e da soberania nacional. Depois das imagens de Santos Cruz, Heleno e Mourão ao lado de Villas Bôas, vem outro recado. “Mexeu com eles, mexeu com a família Oliva”, frisa. Em seguida, despontam cenas de militares em missões especiais, com oficiais em blindados e segurando armas. O vídeo termina com a mensagem #MexeucomVBmexeucomigo.




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.