governo bolsonaro Mourão minimiza 'fogo amigo' do guru do clã Bolsonaro: Olavo de Carvalho

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 24/04/2019 08:17 Atualizado em:

Carlos Bolsonaro atacou Mourão ao longo da terça-feira, mas vice adotou outra 'linha de ação': amenizou as postagens do filho do presidente. Foto: Sergio Lima/AFP
Carlos Bolsonaro atacou Mourão ao longo da terça-feira, mas vice adotou outra 'linha de ação': amenizou as postagens do filho do presidente. Foto: Sergio Lima/AFP
Depois de embates, na segunda-feira, entre o “guru” da família Bolsonaro, o escritor Olavo de Carvalho, e o vice-presidente Hamilton Mourão, o atrito teve mais um capítulo nesta terça-feira, puxado por ataques de Carlos Bolsonaro ao vice do pai. O presidente da República até prometeu, por meio de comunicado, colocar um “ponto final” na “pretensa discussão” entre os dois, mas foi em vão.

A própria nota de Bolsonaro passa um tom mais afável ao filho do que ao vice. O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, disse que, em relação aos filhos, em particular a Carlos, “o presidente enfatiza que sempre estará ao seu lado”. “O filho foi um dos grandes responsáveis pela vitória nas urnas, contra tudo e contra todos. Eu abro aspas para a fase do presidente: ‘É sangue do meu sangue’”, declarou.

Foi o suficiente para Carlos reforçar as críticas. Depois das informações prestadas pelo porta-voz, o vereador voltou a atacar Mourão. No Twitter, lembrou — por intermédio do recorte de uma declaração do vice publicada em uma reportagem quando Bolsonaro se recuperava da facada sofrida em Juiz de Fora (MG) — de declaração do general sobre o atentado. “Esse troço já deu o que tinha que dar. É uma exposição que eu julgo que já cumpriu sua tarefa. Ele (Bolsonaro) vai gravar vídeo do hospital, mas não naquela situação, não propaganda. Vamos acabar com a vitimização, chega”, declarou Mourão, em 11 de setembro.

Ao longo do dia, Carlos publicou imagem em que mostra uma interação de Mourão com uma publicação feita pela jornalista Rachel Sheherazade, em 8 de abril. A apresentadora critica Jair Bolsonaro e elogia o vice, que “curtiu” o comentário no Twitter. Depois, o vereador diz que “surgem pérolas” quando a “única coisa que lhe resta é o último suspiro da vida”, ao publicar um vídeo no qual Mourão menciona apoio dos militares venezuelanos ao presidente Nicolás Maduro e diz que a população do país vizinho tem de estar desarmada por risco de uma guerra civil.

Briga
Mourão, por sua vez, evitou o embate. Na saída do anexo II do Planalto, onde despacha, procurou não polemizar. “Calma, todo mundo emite sua opinião, tal e coisa. Então, a minha mãe sempre dizia uma coisa: ‘Quando um não quer, dois não brigam’”, declarou, destacando que essa é a “linha de ação” adotada por ele. “Vamos manter a calma”, afirmou. Carlos respondeu nas redes sociais. “Nunca foi por briga e, sim, pela verdade!”, escreveu.

Com o entrevero, Carlos tenta projetar em Mourão a imagem de alguém não alinhado ao governo. A postura do filho do presidente tem deixado insatisfeitos militares do alto escalão. Os oficiais sabem, contudo, que não podem estressar a relação e acabar de mãos atadas. Bolsonaro frisou, em nota, que Mourão é o “subcomandante do governo”. “Topou o desafio das eleições e terá a consideração e o apreço do senhor presidente”, disse Rêgo Barros.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.