Solidariedade Angelina Jolie pede à Colômbia que acolha crianças apátridas de migrantes venezuelanos

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 08/06/2019 18:53 Atualizado em:

Foto: Alexandre ST-Denis/ AFP
Foto: Alexandre ST-Denis/ AFP

A atriz Angelina Jolie, enviada especial da ONU para os refugiados, advogou neste sábado (08) perante o governo colombiano por cerca de 20 mil crianças de pais venezuelanos apátridas, como resultado do êxodo em massa gerado pela crise na Venezuela.

Jolie abordou esse fenômeno - uma das consequências menos conhecidas da crise migratória - com o presidente Iván Duque, como parte de sua visita à Colômbia para absorver a situação dos venezuelanos que fugiram do colapso econômico em seu país.

Durante uma reunião no porto de Cartagena, a atriz americana conquistou o apoio de Duque para resolver o limbo legal dos filhos de migrantes que não têm nacionalidade definida.

"O presidente e eu conversamos sobre o risco de mais de 20 mil crianças venezuelanas se tornarem apátridas e sobre o seu compromisso de apoiar as crianças", disse Jolie no final da reunião.

A Colômbia, que recebe a maior população de venezuelanos afetados pela crise, não reconhece automaticamente como nacionais aqueles nascidos em seu território.

Muitos dos migrantes estão em situação irregular, o que impede seus bebês de obter esse direito, mesmo que tenham acesso aos cuidados básicos.

Os pais, por outro lado, têm dificuldades para registrar seus filhos nos consulados em meio à ruptura das relações diplomáticas entre Caracas e Bogotá.

 

Duque, que incentiva o cerco internacional contra o governo de Nicolás Maduro, também destacou a urgência de resolver esse problema.

"Queremos abordar (...) a nacionalização de milhares de crianças venezuelanas em nosso país que hoje não têm um status migratório definido (...) Fazer isso é uma forma humanitária de lhes dar oportunidades e benefícios", afirmou o presidente.

Por sua parte, Jolie elogiou o tratamento que a Colômbia está dando ao maior fluxo migratório de sua história, depois de visitar uma área de fronteira.

"Eu vi por mim mesmo como as escolas, hospitais e serviços locais estão sobrecarregados, mas também vi a humanidade inspiradora mostrada pelas comunidades locais", disse.

Acompanhada por Kelly Clements, a Alta Comissária Adjunta do ACNUR, Jolie retornará esta tarde a um ponto de fronteira no departamento de La Guajira antes de concluir sua visita de dois dias.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.