Diálogo Delegados de Maduro e Guaidó negociam na Noruega

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 28/05/2019 22:26 Atualizado em: 28/05/2019 22:32

Foto: Arquivo/AFP e Federico Parra/AFP (Foto: Arquivo/AFP e Federico Parra/AFP)
Foto: Arquivo/AFP e Federico Parra/AFP
Representantes do presidente venezuelano, Nicolás Maduro e do líder opositor Juan Guaidó negociam atualmente na Noruega no âmbito de uma mediação do país escandinavo, informaram à AFP fontes próximas ao processo.

No sábado (25), a diplomacia norueguesa anunciou que representantes dos dois se reuniriam nesta semana, sem detalhar data e local.

Guaidó tinha afirmado que seus representantes se reuniriam "tanto com o governo norueguês, quanto com os representantes do regime".

As tratativas começaram na segunda e se estenderam até tarde da noite. Elas devem ser concluídas na quarta - uma data que pode ser alterada -, segundo fontes próximas ao processo. 

Nenhuma parte do conteúdo e do formato dessas discussões foi vazado à imprensa.

A porta-voz do Departamento de Estado americano, Morgan Ortagus, afirmou nesta quarta (28) à imprensa que as negociações, apoiadas pelos EUA, devem ter como enfoque a saída de Maduro. 

"Tomamos nota dos diálogos na Noruega. Como dissemos reiteradamente, os Estados Unidos acreditam que a única coisa que pode ser negociada com Maduro são as condições de sua saída", afirmou. 

"Em vista de os esforços anteriores para negociar terem fracassado porque o regime lhes utilizou para dividir a oposição e ganhar tempo, esperamos que as negociações em Oslo se concentrem na saída de Maduro como pré-condição para avançar", disse Ortagus. 

O governo do presidente Donald Trump descartou diversas vezes dialogar com o mandatário socialista, que classifica como "ditador". 

Após quatro tentativas de negociação fracassadas desde a chegada de Maduro ao poder, em 2013, Guaidó advertiu nesta terça que não se prestará a mais uma tentativa de dar fôlego ao governo.

"Aqui ninguém está chupando o dedo. Não acreditamos na boa fé dos que nos levaram para esta catástrofe", disse Guaidó em referência à grave crise social e econômica que vive a Venezuela, com a falta de gêneros de primeira necessidade e hiperinflação de 10.000.000% para este ano, segundo o FMI.

Consultado pela AFP sobre o conteúdo dos diálogos, o Ministério de Relações Exteriores da Noruega se recusou a comentar. 

De acordo com o ALnavío, portal especializado em atualidades latino-americanas, o principal ponto de discussão é a realização de eleições "livres e justas" reclamadas por Guaidó.

A Venezuela enfrenta a pior crise política e econômica de sua história recente. O governo de Maduro e a oposição reunida atrás de Guaidó, autoproclamado presidente interino e reconhecido como tal por cerca de 50 países, aceitaram a mediação norueguesa. 

Representantes das duas partes já haviam se encontrado separadamente com seus anfitriões em meados de maio na Noruega, mas não tiveram nenhum contato direto.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.