Convite Macri convoca opositores para acordo por estabilidade econômica na Argentina

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 06/05/2019 22:28 Atualizado em:

O presidente argentino, Mauricio Macri, convocou opositores políticos, empresários, sindicatos e igrejas para discutir um programa de dez pontos com o qual procura estabilizar a economia volátil do país, a seis meses para as eleições presidenciais.

"Claramente, tivemos problemas para alcançar acordos sobre questões básicas do nosso desenvolvimento econômico [...] Por isso, toda vez que um processo eleitoral se aproxima, há muitas dúvidas sobre o nosso futuro", diz Macri em carta dirigida à presidente Cristina Kirchner, assim como aos pré-candidatos Sergio Massa e Roberto Lavagna, entre outros da oposição.

Alguns dos pontos levantados por Macri para discussão são: equilíbrio fiscal, independência do Banco Central e luta contra a inflação, segurança jurídica, estímulo às exportações, reforma da legislação trabalhista e cortes de impostos.

Também propõe um sistema de aposentadoria "sustentável e equitativo", um sistema estatístico fiável e o cumprimento dos pagamentos aos credores.

O governo de Macri assinou no ano passado um empréstimo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) de 56 bilhões de dólares, com o compromisso de alcançar o equilíbrio fiscal em 2019 e superávit em 2020.

O chamado de Macri - feito menos de uma semana depois de uma greve nacional de sindicatos e da oposição - tem sido fortemente questionado por seus adversários, embora setores empresariais e a Igreja Católica sejam a favor de um amplo diálogo.

"Se eles nos chamarem para assinar este acordo de dez pontos, não conte conosco", disse Agustin Rossi, chefe do bloco parlamentar Frente à Vitória (esquerda do peronismo), de Kirchner.

"O acordo é o roteiro do FMI, é para os mercados, mas não para os argentinos", acrescentou Rossi.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.