renúncia Ministro da Justiça do Chipre renuncia por caso de assassinatos em série

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 02/05/2019 11:13 Atualizado em:

As autoridades cipriotas foram acusadas de não terem investigado os primeiros desaparecimentos devido a negligência e racismo. Foto: Stavros Ioannides/AFP
As autoridades cipriotas foram acusadas de não terem investigado os primeiros desaparecimentos devido a negligência e racismo. Foto: Stavros Ioannides/AFP
O ministro da Justiça do Chipre, Ionas Nicolaou, anunciou sua renúncia nesta quinta-feira (02), após o clamor popular sobre a falta de investigação de supostos assassinatos em série de sete mulheres e meninas estrangeiras. Nicolaou informou que entregou sua renúncia ao presidente Nicos Anastasiades por razões de "princípios e consciência", acrescentando que não estava pessoalmente envolvido no caso que passou despercebido por quase três anos. Um suspeito identificado pela mídia cipriota como Nicos Metaxas, um oficial do exército grego-cipriota de 35 anos, confessou os sete crimes, considerados os primeiros assassinatos em série na ilha do Mediterrâneo. 

"Informei o presidente da decisão de renunciar ao cargo de ministro da Justiça por razões de responsabilidade política", disse Nicolaou a repórteres quando fez o anúncio. Ele também pediu à comissão de denúncias da polícia para iniciar uma investigação independente para determinar quem é o responsável, indicando que era evidente a falta de investigação inicial do caso das sete vítimas. A polícia encontrou os corpos de duas filipinas, uma mulher que se acredita ser nepalesa e uma quarta ainda não identificada em dois lagos nos arredores de Nicósia, depois que turistas descobriram um primeiro corpo em 14 de abril. A polícia está à procura de outros três corpos: uma filipina de seis anos e uma romena e sua filha. As autoridades cipriotas foram acusadas de não terem investigado os primeiros desaparecimentos devido a negligência e racismo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.