Divergência Igreja no Chile repudia lei que obriga revelar segredo de confissão

Publicado em: 29/04/2019 22:28 Atualizado em:

Os líderes da Igreja no Chile repudiaram uma lei que obriga sacerdotes a revelar o segredo de confissão em casos de abusos sexuais de menores, e que foi aprovada recentemente na Câmara de Deputados, segundo um comunicado do clero emitido nesta segunda-feira (29).

A lei, que ainda vai ser analisada no Senado para aprovação, provocou um novo tremor na Igreja no país, já atingida por mais de uma centena de denúncias de abusos sexuais contra menores e de ter encoberto sacerdotes e bispos envolvidos nas denúncias.

O segredo de confissão "é um sacramento, um ato sagrado, mediante o qual uma pessoa se reconcilia com Deus, por isso é fundamental resguardar as condições para que isto aconteça", declarou o bispo Fernando Ramos, secretário-geral da Conferência episcopal, através de um comunicado.

A nova norma também obriga os sacerdotes a denunciar delitos cometidos contra "pessoas que por sua condição física ou mental não se encontrem em condições de exercitar por si mesmas seus direitos". Caso a denúncia não for feita, "serão aplicadas as penas que a legislação penal contempla".

A justiça chilena investiga 158 casos de abusos sexuais que envolvem 219 membros da Igreja e que deixaram supostamente 241 vítimas, das quais 123 eram menores de idade no momento dos atos.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.