meio ambiente Doze milhões de hectares de florestas tropicais destruídos em 2018

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 25/04/2019 08:22 Atualizado em:

O Brasil foi o país que perdeu mais superfície de florestas primárias, à frente da RDC e da Indonésia. Foto: Mauro Pimentel / AFP
O Brasil foi o país que perdeu mais superfície de florestas primárias, à frente da RDC e da Indonésia. Foto: Mauro Pimentel / AFP
Em 2018 o mundo perdeu 12 milhões de hectares de florestas tropicais, o equivalente à superfície da Nicarágua, anunciou o Instituto de Recursos Mundiais (WRI), incluindo 3,64 milhões de florestas nativas, fundamentais para o clima e a biodiversidade.

Os países mais afetados foram Brasil, Indonésia, República Democrática do Congo, Colômbia e Bolívia, indicou o WRI.

De acordo com o relatório anual, realizado pela Global Forest Watch, 2018 foi o quarto pior ano em termos de desmatamento da floresta tropical, atrás de 2016, 2017 e 2014.

"É tentador aplaudir um segundo ano de queda após o pico de 2016", comenta Frances Seymour, da WRI, "mas se observarmos os últimos 18 anos está claro que a tendência mundial continua em alta".

A perda das florestas tropicais virgens (nativas) representa uma superfície equivalente a da Bélgica. 

"São as florestas que têm o maior impacto em termos de emissões de carbono e de biodiversidade", destacou Mikaela Weisse, também do WRI, porque estes espaços armazenam dióxido de carbono e abrigam uma importante fauna e flora.

O ritmo de destruição das florestas nativas é muito inquietante na República Democrática do Congo (RDC), enquanto registrou queda de 63% na Indonésias após medidas adotadas pelo governo e dois anos consideravelmente úmidos, o que reduziu o número de incêndios. Mas o fenômeno El Niño pode ter efeitos negativos para 2019.

O Brasil foi o país que perdeu mais superfície de florestas primárias, à frente da RDC e da Indonésia.

A situação pode piorar no país depois que, segundo a ONG Imazon, o desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 54% em janeiro de 2019, com a chegada ao poder do presidente Jair Bolsonaro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Na Colômbia, a perda de floresta nativa aumentou 9% entre 2017 e 2018, depois que o acordo de paz entre o governo e as Farc possibilitou um acesso maior a algumas áreas.

O WRI também destaca a situação em Gana e na Costa do Marfim, os países que registraram o maior percentual de perda de floresta nativa entre 2017 e 2018, a 60% e 26% respectivamente.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.