cerimônia Museu de História Natural de NY cancela evento em homenagem a Bolsonaro

Por: Diario de Pernambuco

Por: AE

Publicado em: 15/04/2019 18:43 Atualizado em: 15/04/2019 19:04

Foto: Evaristo Sá/AFP
Foto: Evaristo Sá/AFP
O Museu de História Natural dos Estados Unidos, com sede em Nova York, cancelou evento em homenagem ao presidente Jair Bolsonaro. A decisão foi publicada na conta oficial do Museu no Twitter. A cerimônia cancelada era a de premiação do presidente como "Pessoa do Ano". A solenidade está marcada para 14 de maio.  

"Com respeito mútuo pelo trabalho e pelos objetivos de nossas organizações individuais, concordamos em conjunto que o Museu não é o local ideal para o jantar de gala da Câmara de Comércio Brasil-EUA. Este evento tradicional terá lugar em outro local na data e hora originais."






A maioria dos seguidores, admiradores da instituição, foram até o post para agradecer a decisão do Museu. A instituição, então, fez uma série de publicações em inglês, que depois foram traduzidas para português. "O Museu que agradecer às pessoas que expressaram sua opinião sobre o evento da Câmara de Comércio Brasil-EUA. Entendemos e compartilhamos sua preocupação."





Todos os anos, a câmara escolhe duas personalidades, uma americana e outra brasileira, e as premia em seu jantar de gala para mais de mil convidados, com entradas ao preço individual de 30.000 dólares, que estão esgotados.

No ano passado, foram premiados no museu do bilionário ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg e o então juiz Sérgio Moro, encarregado da Lava Jato, atual ministro da Justiça e Segurança Pública. 

Desde a semana passada, o museu tem sido alvo de críticas pela homenagem ao brasileiro, principalmente por posições sobre políticas para o meio ambiente. O Museu de História Natural de NY já havia informado que iria avaliar as providências possíveis para o caso. Na sexta-feira, 12, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, pediu que uma homenagem a Bolsonaro no Museu de História Natural do EUA, prevista para 14 de maio, fosse cancelada. "Bolsonaro não é perigoso somente por causa de seu racismo e homofobia evidentes", afirmou De Blasio na sexta, durante entrevista à emissora de rádio WNYC. "Infelizmente, ele também é a pessoa com maior poder de impacto sobre o que se passará na Amazônia daqui para a frente."

O assessor do presidente para assuntos internacionais, Filipe Martins, e o deputado estadual e presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), comentaram a declaração de De Blasio, de que Bolsonaro é um "ser humano perigoso".

"Surpresa seria uma toupeira dessas o elogiar", escreveu Filipe Martins no Twitter. "Não há surpresa alguma em ver Bill de Blasio - um sujeito que colaborou com a revolução sandinista, que considera a URSS um exemplo a ser seguido e que faz comícios no monumento dedicado a Gramsci no Bronx - criticando o PR Bolsonaro."

A premiação é concedida há 49 anos e tem objetivo de reconhecer sempre dois líderes, um brasileiro e um americano, que trabalham pela aproximação e relação entre os dois países. No ano passado, o brasileiro homenageado foi o atual ministro da Justiça, Sérgio Moro. O americano que receberá a homenagem este ano é o secretário de Estado, Mike Pompeo.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.