COMÉRCIO UE adota mandato de negociação comercial com EUA, apesar da rejeição da França

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 15/04/2019 08:32 Atualizado em:

Foto: AFP
Foto: AFP
Os países da União Europeia (UE) aprovaram nesta segunda-feira o mandato que permitirá negociar um acordo comercial com os Estados Unidos, apesar da rejeição da França, anunciaram à AFP fontes europeias.

A Comissão Europeia poderá iniciar a negociação com os Estados Unidos, que para os europeus se limita a bens industriais, exceto veículos, enquanto Washington deseja incluir a agricultura nas discussões.

"A França possivelmente será a único a votar contra", advertiu na semana passada o Palácio do Eliseu, ao recordar a recusa do presidente francês, Emmanuel Macron, de chegar a acordos com um país não signatário do Acordo de Paris sobre o clima.

Apesar do voto contrário da França e da abstenção da Bélgica, que tem um governo interino até as legislativas de 26 de maio, o mandato de negociação foi aprovado durante uma reunião de ministros em Luxemburgo.

UE e Estados Unidos se esforçam há oito meses para concretizar uma frágil trégua comercial, anunciada em julho de 2018, após uma reunião do presidente americano, Donald Trump, com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Mas o americano aumentou desde então a pressão sobre os europeus, ameaçando em várias ocasiões aumentar as tarifas de importação dos automóveis caso as negociações não avancem.

Apesar da pressão da Alemanha, preocupada com novas tarifas neste setor chave, a França havia bloqueado o processo, ante o temor de ver o retorno dos protestos contra a negociação do impopular tratado de livre comércio TTIP. 

O mandato de negociação da Comissão menciona neste sentido que as conversações do vasto acordo comercial entre UE e Estados Unidos, suspensas em 2016, são "obsoletas".

A pedido da França, durante as negociações deve ser elaborado um estudo de impacto ambiental para garantir que o acordo com Washington respeita o Acordo de Paris.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.