saúde Dalai Lama melhora e deve receber alta nos próximos dias

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 10/04/2019 08:00 Atualizado em:

Foto: INDRANIL MUKHERJEE / AFP
Foto: INDRANIL MUKHERJEE / AFP
O Dalai Lama, líder espiritual dos budistas tibetanos, foi internado na terça-feira em um hospital de Nova Délhi após sentir dores no peito, mas está "muito melhor" e provavelmente receberá alta dentro de alguns dias, informou o porta-voz do religioso.

"Sua Santidade está muito melhor, mas segue sob tratamento no hospital e esperamos que saia dentro de alguns dias", afirmou Tenzin Taklha por telefone. O porta-voz não revelou exatamente o problema do Dalai Lama, que tem 83 anos.

Algumas horas antes, Ngodup Tsering, representante do Dalai Lama nos Estados Unidos, disse à AFP que o líder espiritual chegou a Nova Délhi na primeira hora de terça-feira (9) para uma visita a um médico especialista no hospital Max, depois de ter tido uma "tosse leve".

"O médico disse que não há razões para preocupação. Não é nada sério", disse Tsering, sem confirmar se o Dalai Lama continuaria o tratamento no mesmo hospital", afirmou.

"Ele terá um repouso de alguns dias", comentou.

O superintendente da Polícia de Kangra, Santosh Patial, disse ao jornal The Indian Express que o Dalai Lama, que vive no exílio há 60 anos em Dharamshala, norte da Índia, embarcou em um voo regular na manhã de terça-feira rumo a Nova Délhi e que não foi transportado de urgência.

"Não há motivos para pânico", disse.

Embora seja um orador extraordinariamente popular até hoje, o Dalai Lama reduziu drasticamente seus compromissos internacionais e não se encontra com nenhum líder global desde 2016.

Ao mesmo tempo, diversos governos admitem reticências ao convidar o Dalai Lama por medo de gerar tensões com o governo chinês.

O Dalai Lama atua para impedir qualquer tentativa do governo da China de nomear seu sucessor reencarnado, a ponto de ter anunciado em 2011 que ele poderia ser o último da linhagem, que se perpetua desde o século XIV.

Até mesmo a Índia - país que ofereceu asilo ao líder espiritual dos tibetanos em 1959, quando ele fugiu da China pelo Himalaia disfarçado de soldado - deu as costas ao Dalai Lama, a ponto de aparentemente ter alertado funcionários públicos a não participar em eventos com ele, para evitar suscetibilidades diplomáticas.

O Dalai Lama renunciou em 2011 a seu poder político e encarregou o comando dos tibetanos no exílio a um primeiro-ministro eleito pela diáspora, o que representou uma mudança histórica.

Durante toda sua vida, que passou em grande parte na Índia, o Dalai Lama buscou de forma incessante um compromisso com Pequim sobre o futuro dos tibetanos. A luta não violenta e pacifista rendeu o Prêmio Nobel da Paz em 1989.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.