Especial Ruanda, da barbárie a modelo africano

Por: AE

Publicado em: 07/04/2019 09:17 Atualizado em:

Vinte e cinco anos depois do genocídio que exterminou pelo menos 800 mil dos seus 7 milhões de habitantes e na sequência mandou para o exílio parcela considerável de sua força de trabalho, Ruanda vive hoje em ritmo de crescimento acelerado - 8,9% de 2017 para 2018. Por motivos óbvios, tem 60% da população abaixo dos 30 anos e um dos parlamentos mais femininos do mundo (64% de mulheres na Câmara e 40% no Senado). É ainda considerado um dos lugares mais seguros da África e também um dos mais estáveis politicamente.

Reeleito em 2017, o presidente, Paul Kagame, ex-líder rebelde da Frente Patriótica de Ruanda (FPR), está no terceiro mandato e é alvo de críticas de analistas internacionais após um referendo de 2015 tornar possível sua reeleição por mais duas vezes. Com isso, ele pode tentar garantir a permanência no poder até 2034. 

"O renascimento de Ruanda após a tragédia do genocídio espanta o mundo", afirma a escritora Scholastique Mukasonga, que perdeu praticamente toda a família durante os massacres. "Ruanda se tornou modelo para os países africanos. O visitante constata o desenvolvimento econômico, a luta implacável contra a corrupção, o lugar que as mulheres têm. A segurança que reina em Kigali (capital) leva as grandes empresas a estabelecerem lá suas sedes. Ruanda sonha ser a pequena Cingapura africana."

Plano

A transição de um país arrasado para uma potência local, porém, ainda está em curso. Em 6 de abril de 1994, com a derrubada do avião do presidente hutu, Juvénal Habyarimana, o plano de extermínio dos tutsis, etnia minoritária que havia governado o país desde pelo menos o século 18 até 1959, foi colocado em prática. Grupos de assassinos armados com facões e machetes tomaram as ruas, incitados pelo novo governo. Estima-se que três em cada quatro tutsis, entre homens, mulheres e crianças, foram massacrados em cem dias, além de 30 mil hutus moderados.

Relatos e fotos de corpos amontoados em igrejas, escolas e hospitais - ou simplesmente deixados nas ruas - chocaram o mundo mas não foram suficientes para mover a comunidade internacional. Em vez de intervir, a ONU retirou 90% dos seus 2 5 mil homens do país logo após o início das matanças.

O massacre só acabou em julho de 1994, quando o exército rebelde tutsi comandado por Paul Kagame tomou Ruanda e instituiu novo governo. "Ignorou-se o objetivo político da manutenção do poder pelos hutus, naturalizando o conflito, ao defini-lo como tribal, com raízes de ódios ancestrais e, por isso, quase impossível de ser resolvido", afirma Leila Leite Hernandez, professora de História da África e Diretora do Centro de Estudos Africanos da USP.

Reconstrução. Políticas de reconciliação, em um esforço de reconstrução do país, vigoram até hoje. Desde 1994, é vetada a diferenciação entre hutus e tutsis - carimbada nas cédulas de identidade a partir de 1926 pelos colonizadores belgas - e a Constituição de 2003 proíbe a apologia e a negação do genocídio. Grupos de apoio a assassinos e sobreviventes promoviam, até pouco tempo atrás, sessões públicas de perdão.

Nas escolas, cursos sobre genocídio foram incorporados ao currículo nacional, do ensino secundário à universidade, apesar de não haver uma só família que não tenha vivido os horrores de 1994, de um ou outro lado.

"Pensei muitas e muitas vezes que morreria", lembra a escritora Immaculée Ilibagiza, que passou mais de 90 dias escondida com outras sete mulheres em um banheiro de 1,20 metro por 1 metro. Com exceção de um irmão, perdeu toda a família. 

Levar justiça às vítimas também não foi tarefa fácil. Ao fim do genocídio, restavam vivos 5 juízes e cerca de 50 advogados em todo o país. O Poder Judiciário teve de ser reconstruído. Em 2002, o governo reabilitou as cortes "gacaca", instrumento de resolução de conflitos anterior ao colonialismo. De acordo com Jean Damascene Bizimana, secretário executivo da Comissão Nacional de Luta contra o Genocídio, 1,9 milhão de casos foram analisados dessa forma em 10 anos, resultando em 500 mil presos - 10% ainda cumprem pena. "Os tribunais lançaram as bases para a paz, a reconciliação e a unidade de Ruanda", diz. 

Os mandantes dos crimes ficaram com o Tribunal Penal Internacional para Ruanda (ICTR, na sigla em inglês), criado pela ONU em novembro de 1994. Em 2015, quando encerrou os trabalhos, havia julgado 93 pessoas e condenado 64. Foi a primeira Corte internacional, desde Nuremberg, a condenar um chefe de Estado por genocídio (o primeiro-ministro Jean Kambanda sentenciado à prisão perpétua em 1998), o primeiro tribunal a considerar estupro e violência sexual como formas de perpetração de genocídio e também o primeiro a julgar o papel da mídia na incitação das matanças.

"O tribunal trouxe justiça às vítimas e aos sobreviventes, acusando indivíduos e ouvindo os poderosos relatos de mais de 3.500 testemunhas que asseguraram que a comunidade internacional nunca esquecerá o que aconteceu em Ruanda", diz o juiz Vagn Joensen, presidente da Corte internacional de 2007 a 2015 e hoje juiz do Tribunal Residual da ONU. 

Todo esse esforço por reconciliação chega renovado às novas gerações. Ruandesa que mora no Brasil desde os 3 anos, Axana Uwimana, de 25, resume: "As pessoas simplesmente são o que são, hutus, tutsis, não tem diferença. Para o ruandês, ele é apenas isso: ruandês".

'Vi um dos piores crimes do mundo'
  
O professor Lyal S. Sunga fez parte da Comissão de Peritos do Conselho de Segurança da ONU que relatou os crimes cometidos durante os cem dias do genocídio. Ele contou ao Estado o que viu:

"Chegamos a Kigali em 29 de outubro de 1994. Ruanda é um país de sol, solo rico em ferro e gente bonita, e essas foram minhas primeiras impressões. Nossa tarefa, no entanto, nos colocou cara a cara com os horrores de um dos piores crimes do século 20.

Jamais esquecerei o que vi lá. Em Nyamirambo, 6 mil pessoas foram mortas em três dias pela interahamwe (milícia hutu) de um lado e pela guarda presidencial do outro, numa demonstração de premeditação e planejamento. Encontramos uma mulher com seu filho, forte e bonito aos 10 anos de idade, exceto pela desfiguração grosseira do golpe de machete com força total na frente do rosto.

Em 1º de novembro, fomos para N’tarama, onde 400 dos cerca de 5 mil corpos ainda não haviam sido enterrados desde o ataque, em 15 de abril. Foi lá que senti pela primeira vez o fedor de carne humana decomposta, um cheiro que permeia todo o seu ser.

Meu colega forense me apoiou no banco da primeira fila da Igreja de N'tarama, para evitar que eu escorregasse na gordura humana e caísse na massa de cadáveres. Em Nyarabuye, fiquei para trás do time e me vi andando sobre larvas negras mortas que tinham comido carne humana. Isso me chocou.

Em 2015, voltei à Igreja de N’tarama. O zumbido reconfortante de pessoas em movimento substituiu o silêncio e o mau cheiro humano de 1994. Ruanda foi transformada de cenário de morte e destruição em um lugar limpo, eficiente, seguro e vibrante em duas décadas."

A vítima comum 
 
As tatuagens no rosto fino de Helena Rosa foram feitas em 1989 para afastar da menina recém-nascida os demônios e os espíritos infelizes dos que morrem sem conhecer Imana. Não funcionou. Cinco anos mais tarde, a adolescente Ruza foi envolvida na luta de 100 dias que resultou na morte de 800 mil pessoas em seu país Ruanda. A cidade de 60 mil habitantes em que vivia, Byumba, cerca de 60 km ao norte da capital, Kigali, foi invadida pelos grupos radicais da etnia hutu - muita gente fugiu; talvez um terço das pessoas tenham sido dizimadas pelos milicianos.

A garota perdeu a família, caminhou pela mata, cruzou rios e com outros poucos refugiados pediu asilo, primeiro na Tanzânia e depois em Moçambique. Sob o abrigo de um grupo de freiras estudou e, feita professora, dedica a vida a auxiliar vítimas de ditaduras e desterrados pela miséria. De nome novo, Helena está no Brasil cadastrando exilados africanos para um programa da ONU. É uma mulher sem sorrisos e de gestos tensos. Conta sua história com poucos detalhes.

A voluntária é o personagem mais típico produzido pela África, o continente dos conflitos. Em março de 2018, organismos internacionais dedicados aos estudos da paz registravam a existência de 15 guerras ativas, aquelas em que há combates, rola sangue e os civis sofrem. Mesmo em países tecnicamente pacificados, como Ruanda, há choques isolados entre determinados grupos, fora do controle dos frágeis governos locais, nos quais a corrupção bate forte.

Os motivos cobrem um largo espectro, da exploração de minerais raros à extração de diamantes, urânio e jazidas de petróleo. O mercado de armas age na área livremente. A Rússia é o principal fornecedor, ocupando 35% de todas as encomendas. Um catálogo gigante: fuzis, pistolas, munições, foguetes, blindados, mísseis aviões de ataque, helicópteros. Só no ano passado, foram US$ 10 bilhões em novos contratos formais.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.