Autorização Otan aprova medidas para combater Rússia em meio a tensões internacionais

Por: Estado de Minas

Publicado em: 04/04/2019 22:53 Atualizado em:

Ministros de Relações Exteriores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) aprovaram uma série de medidas para combater a Rússia na região do Mar Negro, um acordo que ocorre em meio a divergências entre os Estados Unidos e alguns dos outros membros da aliança sobre questões de segurança e comércio. Em reunião em Washington para marcar o 70º aniversário da Otan, os ministros concordaram em fornecer à Geórgia e à Ucrânia mais cooperação marítima, patrulhas e visitas a portos. Os dois países enfrentaram a agressão russa e aspiram aderir à aliança.

Os ministros da Otan também renovaram as exigências para a Rússia acabar com a anexação da Crimeia, libertar marinheiros e navios ucranianos que capturaram em um confronto no ano passado no Mar de Azov e respeitar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário. Os EUA anunciaram que vão se retirar do acordo de 1987 em agosto, a menos que a Rússia volte a cumprir o tratado.

Apesar disso, uma disputa cada vez mais profunda entre os EUA e a Turquia vem emergindo após a compra turca de um sistema russo de defesa aérea. Além disso, os americanos vêm exigindo que alguns aliados, particularmente a Alemanha, aumentem os gastos com defesa e também estão discutindo com o Canadá as tarifas impostas contra Ottawa.

Mesmo com todas essas questões, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, pediu que os aliados se unam para enfrentar os desafios da Rússia, China e Irã. Ele elogiou a dissolução da Otan na União Soviética durante a Guerra Fria e disse que a aliança está bem posicionada para avançar, uma vez que enfrenta desafios novos e em evolução. "Nós procuramos a paz através da força aqui na Otan. Devemos continuar a fazer isso, especialmente nesta nova era de grande competição de poder por parte da Rússia, da China, e da República Islâmica do Irã", afirmou Pompeo. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.