Solicitação Maduro pede à população que armazene água para 'guerra' na Venezuela

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 04/04/2019 21:57 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Facebook (Foto: Reprodução/Facebook)
Foto: Reprodução/Facebook
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta quinta-feira (4) à população que armazene água, ao admitir a gravidade dos problemas de fornecimento provocados pelos apagões que afetam o país, atribuídos à "guerra" econômica promovida pela oposição e patrocinada pelos Estados Unidos.

Após reafirmar que a falta d'água é produto de ataques dos Estados Unidos e da oposição contra a infraestrutura elétrica, Maduro pediu à população que armazene água em "tanques, bujões" e até em pequenos recipientes. O objetivo é "enfrentar esta fase de resistência e luta [...], é um conselho, uma orientação que dou ao povo da Venezuela".

A Venezuela enfrenta desde o início de março apagões em todo o país, o que tem afetado o bombeamento de água, telecomunicações, comércio, transporte e a atividade bancária.

A oposição e especialistas atribuem o colapso no sistema à falta de manutenção nas instalações, à imperícia e à corrupção, mas Maduro insiste em que trata-se de "uma guerra não convencional para tornar o país ingovernável".

Maduro também ordenou a governadores e prefeitos que ajudem a implementar um plano para a venda de tanques subsidiados, e reafirmou sua oferta de repor os eletrodomésticos queimados pelas interrupções abruptas de energia.

A crise no fornecimento levou o governo a decretar um racionamento de eletricidade por 30 dias, até o final de abril, a redução da jornada de trabalho de oito para seis horas, e a suspensão das aulas até esta quarta-feira (3).



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.