Agravamento Carlos Ghosn é preso novamente em Tóquio

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 03/04/2019 20:39 Atualizado em: 03/04/2019 21:53

Foto: Reprodução/Facebook (Foto: Reprodução/Facebook)
Foto: Reprodução/Facebook
Procuradores de Tóquio detiveram novamente o ex-CEO da Renault e da Nissan Carlos Ghosn, que estava em prisão domiciliar na capital japonesa, por novas suspeitas de sonegação financeiranas primeiras horas desta quinta-feira (noite de quarta no Brasil), anunciaram vários veículos de comunicação japoneses.
 
De acordo com a emissora de TV pública NHK, esta quarta prisão, "extremamente rara", ocorre apenas um mês depois de o ex-presidente do grupo Renault-Nissan ter sido libertado sob fiança após mais de 100 dias na prisão e um dia depois de ter anunciado no Twitter uma coletiva de imprensa para 11 de abril. "Estamos nos preparando para dizer a verdade sobre o que está acontecendo. Coletiva de imprensa na quinta-feira, em 11 de abril", tuitou em inglês e japonês.  
 
Na quarta-feira (3), começaram a circular rumores de que os procuradores consideravam prender Ghosn no âmbito da investigação de uma quarta acusação, relacionada a uma transferência de US$ 32 milhões para uma distribuidora das montadoras em Omã.

Em um comunicado divulgado por seus advogados após ser detido, Ghosn disse que a nova prisão é "ultrajante e arbitrária". "Por que me prender se não estou obstruindo nada no processo em curso? Sou inocente de todas as acusações infundadas feitas contra mim. Não vou me curvar", disse o executivo, acusando as autoridades da Nissan de tentar silenciá-lo.

Ghosn foi posto em liberdade sob fiança em 6 de março, acusado de três acusações por ter dado declarações inexatas de rendimentos entre os anos 2010 e 2018 em documentos que a Nissan entregou a autoridades financeira e por quebra de confiança.

Agora, é suspeito de ter usado a reserva do presidente executivo da Nissan para realizar transferências de dinheiro a um distribuidor de veículos da Nissan em Omã. Segundo uma fonte próxima ao caso, parte deste dinheiro teria sido usado para comprar um barco de luxo para Ghosn e sua família. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.