Migração Papa vai ao Marrocos falar de migração e diálogo com Islã

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 28/03/2019 20:35 Atualizado em: 28/03/2019 21:18

Foto: Vincenzo PINTO / AFP (Foto: Vincenzo PINTO / AFP)
Foto: Vincenzo PINTO / AFP
O papa Francisco celebra, no sábado (30) e no domingo (31), uma visita ao Marrocos, país de maioria muçulmana, para falar do diálogo com o Islã, assim como de migração, dois temas-chave de seu pontificado.

"Cristãos e muçulmanos, irmãos no mundo que precisam de paz", disse o pontífice em uma mensagem por vídeo divulgada na véspera de sua 28ª viagem internacional.

O papa quer manter laços de amizade com o mundo muçulmano e, ao mesmo tempo, está empenhado em visitar as menores comunidades católicas do mundo, que costumam ser esquecidas pela cúpula da Igreja.

Cerca de 30.000 católicos vivem no Marrocos. A maioria é composta de estrangeiros procedentes da África subsaariana, estudantes, ou migrantes a caminho da Europa.

No domingo, muitos deles assistirão a uma missa em um complexo esportivo, algo que não se via desde a visita de João Paulo II em 1985, já que 99% da população é muçulmana sunita.

Como aconteceu durante sua viagem em janeiro aos Emirados Árabes Unidos, o papa se reunirá com o rei do Marrocos Mohamed VI, assim como com os principais líderes religiosos muçulmanos, e visitará o mausoléu de Mohamed V - gestos a favor da tolerância religiosa.

Nesse mesmo dia, ele se reúnem com migrantes na sede da Caritas de Rabat, onde pronunciará um importante discurso.

Com essa viagem, segundo o Vaticano, o papa deseja dar esperança às minorias cristãs e aos muçulmanos convertidos, que pedem para desfrutar plenamente da liberdade de religião consagrada na Constituição marroquina.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.