ligação Apartamento de líder austríaco da extrema direita é revistado

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 26/03/2019 10:15 Atualizado em:

A residência de Martin Sellner, cofundador do Movimento Identitário Austríaco (IBO), de 30 anos, foi revistada na segunda-feira à noite no âmbito da investigação. Foto: GEORG HOCHMUTH / APA / AFP
A residência de Martin Sellner, cofundador do Movimento Identitário Austríaco (IBO), de 30 anos, foi revistada na segunda-feira à noite no âmbito da investigação. Foto: GEORG HOCHMUTH / APA / AFP
As autoridades austríacas realizaram uma operação de busca e apreensão no apartamento de um líder da extrema direita como parte da investigação que o relaciona ao homem que atacou duas mesquitas na Nova Zelândia, informaram autoridades locais nesta terça-feira.

A residência de Martin Sellner, cofundador do Movimento Identitário Austríaco (IBO), de 30 anos, foi revistada na segunda-feira à noite no âmbito da investigação por "suspeita de participação em uma organização terrorista", apontou a Procuradoria de Graz (sul).

Sellner reconheceu que recebeu há alguns meses uma doação de 1.500 euros da parte de Brenton Tarrant, o australiano que assassinou 50 fiéis em Christchurch em 15 de março.

Em um vídeo publicado na segunda à noite, Sellner assegurou que não mantinha contato com Tarrant, e que apenas o enviou um curto e-mail de agradecimento.

O chanceler austríaco Sebastian Kurz pediu nesta terça-feira que "qualquer vínculo entre o autor dos atentados de Christchurch e os identitários da Áustria seja esclarecido em sua totalidade".

O ministério do Interior afirmou na quinta-feira que Tarrant esteve na Áustria quando fez uma longa viagem pela Europa central e do sul.

Segundo informações da imprensa, ele teria estado em Viena em 26 de novembro e depois passado por Carintia (sul), Salzburgo e Innsbruck (oeste).

O computador e o celular de Martin Sellner foram apreendidos na operação.

Sellnes, que está proibido de entrar em território britânico, foi processado no ano passado com outros 16 membros do IBO por "formação de uma organização criminosa e propagação de uma ideologia racista", mas foi inocentado em julho.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.