moeda única Maílson da Nóbrega: essa ideia de unificação de moedas é um verdadeiro delírio

Publicado em: 07/06/2019 18:14 Atualizado em:

Foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press
Foto: Rafael Ohana/CB/D.A Press
O ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega classificou como “verdadeiro delírio” a ideia de se proceder uma unificação das moedas brasileira e argentina. Para ele, não faz o menor sentido porque os dois países não reúnem as mínimas condições para ter uma moeda comum. A ideia de se unificar as duas moedas foi ventilada quinta-feira (6) durante visita do presidente Jair Bolsonaro à Argentina.

Na quinta mesmo, à noite, o Banco Central (BC) desmentiu a versão de que estaria em curso na instituição estudo que visasse a criação de um moeda comum ao Brasil e ao país vizinho.

Maílson, que participa do seminário "O Direito e a Revolução Digital no Sistema Financeiro" que a Faculdade de Direito da Fundação Getulio Vargas (FGV) realiza na capital paulista nesta sexta-feira (7) lembrou que a experiência mais recente de moeda comum no mundo é a do euro.

"As outras fracassaram em vários momentos da história. E o euro é uma moeda que nasceu de um conjunto amplo de circunstâncias, inclusive de geopolítica que deu origem à criação do mercado comum europeu com o Tratado de Roma de 1958 e até seu nascimento em 1992", disse ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o ex-ministro.

De acordo com o ex-ministro, acima de tudo, tanto o mercado comum europeu quanto a União Europeia foram criados para evitar guerras entre os países. “Estamos no maior período sem guerras por conta disso. Segundo lugar, a declaração do euro, quando não existiam todas as condições ainda, foi a reunificação alemã que gerou o receio de que uma Alemanha mais poderosa viesse novamente ser uma ameaça”, lembrou o ex-ministro.

Para Maílson, a América do Sul não tem a mínima condição de estabilidade macroeconômica para se ter uma moeda comum. "Você não tem aqui nenhum problema geopolítico e nem Brasil e nem Argentina estão preparados para ter uma moeda estável, pois estão sempre sob ameaça de inflação, e muito menos uma moeda comum", afirmou o ex-ministro.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.