RETOMADA Importação de carros avança mesmo com dólar caro

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 06/06/2019 08:41 Atualizado em:

Foto: Arquivo Agência Brasil
Foto: Arquivo Agência Brasil
O dólar caro, a lenta retomada e os imensos desafios enfrentados pela indústria automobilística não foram impedimentos para o desempenho de vendas de carros importados no país.

As 16 marcas filiadas à Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa) licenciaram 3.094 unidades em maio, o que representa uma alta de 4,9% em relação a abril, quando foram vendidas 2.950 unidades importadas. Na comparação com maio de 2018, quando foram comercializadas 3.238 unidades, a queda foi de 4,4%.

A alta de 4,9% no comparativo mensal, porém, não foi suficiente para melhorar o desempenho das associadas à Abeifa no acumulado dos primeiros cinco meses de 2019. De janeiro a maio, dados consolidados mostram a comercialização de 13.538 unidades importadas, contra 14.935 unidades em igual período de 2018, o que significa queda de 9,4%.

Na avaliação de José Luiz Gandini, presidente da Abeifa, a persistência da moeda americana acima dos R$ 4 e a falta de confiança do consumidor na economia brasileira ainda impactam o setor, que precisa do aumento do otimismo para vender mais. “Estamos na torcida para que a economia retome um ritmo mais acelerado de crescimento”, afirma o executivo.

Mesmo assim, a recuperação em maio sinaliza tempos melhores. “Já é um alento, mas poderíamos ter tido resultados mais promissores”, diz Gandini. “Com pouco mais de 13 mil unidades importadas em cinco meses, se anualizarmos esses números, estamos chegando a 32 mil unidades em 2019, quando nossa previsão inicial era chegar a 50 mil veículos importados.”

As cinco marcas que mais venderam, em maio, foram a Kia Motors (888 unidades, ou alta de 4,3%), Volvo (702 veículos, aumento de 23,6%), BMW (530 carros, avanço de 0,2%), Land Rover (199 automóveis, queda de 3,9%) e Jac Motors (189, acréscimo de 34%).

Somados os emplacamentos de unidades importadas e produzidas localmente, o ranking das cinco marcas, por volumes, indica a CAOA Chery com 1.750 unidades (1.749 nacionais e 1 unidade importada), BMW, com 1.098 unidades (568 nacionais e 530 importadas), Kia Motors (888 veículos, todos importados), Volvo (702 unidades importadas) e Land Rover (390 veículos, dos quais 191 nacionais e 199 importados).

Em termos de participação de mercado, ao considerar somente os veículos importados por associadas à entidade, o setor ficou com 1,32% de “share”. Com 5.749 unidades licenciadas (importados e produção nacional), a participação das associadas à Abeifa foi de 2,45% do mercado total de autos e comerciais leves.

Nova geração 

Além dos desafios momentâneos, que dizem respeito ao crescimento da economia e à melhoria do ambiente de negócios do país, a indústria automobilística está em xeque – e não apenas no Brasil. No ano passado, pela primeira vez em décadas, as vendas de carro encolheram. A nova geração cada vez mais considera o carro um serviço e não um bem privado. Isso, obviamente, terá grandes implicações no setor.

O avanço dos carros elétricos e autônomos é outra realidade que deverá levar a profundas mudanças. Grandes montadoras poderão ser substituídas por novas fabricantes, a maioria delas oriundas da área de alta tecnologia – Google, Tesla e Apple, por exemplo, têm projetos avançados de automóveis autônomos.

Segundo uma projeção recente feita pela consultoria KPMG, o número de montadoras deverá diminuir de maneira acentuada até 2030. Portanto, daqui a pouco mais de 10 anos. Quem não estiver preparado para enfrentar os novos tempos ficará pelo caminho. Para especialistas, o desempenho dos importados tende a melhorar nesse cenário, já que as grandes transformações serão produzidas primeiro no exterior. Enquanto isso, as marcas vão continuar dependendo visceralmente da retomada da economia brasileira.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.