IMÓVEIS Registros de imóveis crescem 11,3% no 1º trimestre

Por: Agência Brasil

Publicado em: 03/06/2019 12:08 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Pixabay
Foto: Reprodução/Pixabay
Os negócios imobiliários na cidade de São Paulo continuam recuperando fôlego e cresceram 11,3% no primeiro trimestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. Foram registradas 24.957 ações de compra e venda no primeiro trimestre de 2019. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 15% ante os 12 meses imediatamente anteriores. Paralelamente, também está caindo a inadimplência, refletida no número de imóveis retomados por falta de pagamento.

Segundo dados da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo (Arisp), com base nos registros feitos em todos os cartórios de imóveis da capital paulista, apontam que a recuperação teve início em 2017, depois de quatro anos de queda no período da crise.

Em 2012, ano em que o levantamento começou a ser feito, 146.779 imóveis foram comprados ou vendidos. Os números foram caindo até atingir 89.650 unidades em 2016. Nos últimos 12 meses encerrados em março, a soma é de 112.956 unidades.

"O mercado, de fato, está reagindo, talvez não no ritmo que o País precisa, mas o fato é que estamos em uma situação melhor do que a dos últimos anos", afirma o economista Eduardo Zylberstajn da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), entidade parceira da Arisp no estudo.

De acordo com ele, ainda é difícil fazer uma projeção do mercado para o ano todo, em razão das incertezas econômicas e políticas que ainda perduram. Zylberstajn acredita, no entanto, que a previsão de crescimento da economia de 1% (ou abaixo disso) este ano não vai interromper a reação do mercado imobiliário. "O importante é que o PIB (Produto Interno Bruto) parou de cair. Está fraco, mas está reagindo e, como o mercado imobiliário é cíclico, os indicadores mostram que agora estamos passando por uma recuperação", diz.

Zylberstajn afirma que, mesmo durante o período mais forte da crise, os preços dos imóveis caíram pouco e esse também foi um dos motivos da redução dos negócios. Com a recuperação se mantendo, é possível que ocorra aumento de preço, mas isso não deve acontecer no curto prazo.

Ranking global
Por enquanto, o relatório Indicadores do Registro Imobiliário coleta todos os meses dados das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, mas, ao longo do ano, também serão divulgados números de outras cidades, assim como do Estado de São Paulo e de outros Estados.

Segundo Flaviano Galhardo, presidente da Arisp, "com esses dados queremos contribuir para a melhoria do mercado". Há outros indicadores do setor, mas a maioria deles é parcial por divulgar por exemplo, apenas resultados de vendas de imóveis novos ou volume de investimentos feitos.

"Informações concretas de compra e venda são fundamentais para o fomento de negócios no País", afirma Patrícia Ferraz, coordenadora do Departamento de Estatísticas da Arisp. "Investidores estrangeiros e nacionais, quando cogitam entrar no mercado imobiliário brasileiro, olham a economia do País; portanto, quanto mais informações tiverem, mais chances de receber recursos."

Ela também ressalta a importância de dados efetivos para o cidadão comum que quer comprar ou vender um imóvel e para os governos desenvolverem políticas públicas.

Outra meta da entidade é ajudar o País a melhorar sua posição no relatório do Banco Mundial chamado de Doing Business, que avalia regulamentos para fazer negócios e sua implementação em 190 países. O Brasil está na 175.ª posição do ranking. 

"O País perdeu pontos porque não tinha esses índices que são solicitados no relatório", afirma Galhardo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.