V-Tex Day 'O sucesso de uma economia está na educação', diz Obama em palestra no Brasil

Por: Thatiana Pimentel

Publicado em: 30/05/2019 20:15 Atualizado em: 30/05/2019 20:28

Em São Paulo nesta quinta-feira, ex-presidente dos Estados Unidos também defendeu medidas inclusivas e de igualdade entre homens e mulheres. Foto: v-tex/divulgação
Em São Paulo nesta quinta-feira, ex-presidente dos Estados Unidos também defendeu medidas inclusivas e de igualdade entre homens e mulheres. Foto: v-tex/divulgação

Em visita ao Brasil na tarde desta quinta-feira (30) para palestra de abertura do VTex DAY, maior encontro de Varejo Digital e Inovação da América Latina, o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama afirmou ser a favor da educação inclusiva, de oportunidades iguais para homens e mulheres e de políticas de preservação ambiental e desarmamento. Uma crítica a postura liberal do atual presidente norte-americano Donald Trump e, possivelmente, a seus aliados, incluindo o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Mais cedo, no hotel, o presidente encontrou pela primeira vez Pelé, que lhe deu uma camisa da seleção brasileira. No dia de protestos em todo o país contra o corte de verbas no ensino público superior brasileiro, Obama foi categórico: “o sucesso de uma economia está na educação.”

Durante uma hora de conversa com um público de 15 mil pessoas, Barack revelou sua visão sobre a educação, afirmando que bons professores são aqueles que ajudam os seus alunos a entenderem quem são através de suas próprias vidas, conceito que aqui no Brasil ficou famoso através do educador Paulo Freire que definia por educação a formação da consciência sobre o que o sujeito é no meio em que ele vive. “Um ótimo professor faz com que o aluno perceba o uso do que aprende na sua identidade e dia a dia. Um professor ruim vai ensinar matemática focando apenas nas fórmulas”, ressalta. Ele disse ainda que atualmente as pessoas querem o conhecimento que reforce suas visões de mundo enquanto acredita que o conhecimento deve levar você a analisar a realidade, mesmo que as respostas sejam desconfortáveis.

Em relação ao mercado de trabalho, o presidente norte-americano afirmou que as empresas ainda precisam entender que quanto mais gente incluída nele, mais a economia ganha. “A primeira forma de incluir é dar oportunidades iguais. Que se comece pelas mulheres. Hoje, eu não sento em nenhuma mesa de debate sem uma mulher. Não faz sentido. As pessoas mais importantes da minha vida e que mais me levaram a enxergar melhor o mundo são mulheres: minha mãe, Michelle e Mabel Hefty, uma professora inesquecível que me deu confiança, a melhor coisa que se pode ensinar para alguém”, revela.

Questionado sobre o pior dia da sua carreira, Barack Obama disse que foi quando um massacre em massa ocorreu em uma escola e 20 crianças morreram. O presidente foi, na época, consolar os pais e disse que gostaria de garantir que isso não aconteceria com outra família mas não tinha como com a atual política de venda de armas dos Estados Unidos, que ele considera ridícula. “Me senti um nada. Tinha filhas da mesma idade. Queria dizer pelo menos aos pais que garantiria que isso não ia mais acontecer, mas as políticas de vendas de arma norte-americanas são péssimas. Você pode comprar no supermercado. E é difícil reverter. Qualquer pessoa pode comprar uma arma. Ter um fuzil. Isso não é racional.”

A saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, tratado das Nações Unidas que rege medidas de redução na emissão de gases a partir de 2020, em 2017, também foi considerado algo irracional por Obama. “Eu digo a mesma coisa para todos, políticos ou empresários. O dinheiro não compra felicidade. Se você tem o suficiente para viver bem com comida, uma casa, pode sair de férias de vez em quando, o que vem a mais não compra felicidade. Hoje, o que mais me deixa feliz é rir com minhas filhas ou caminhar de mãos dadas com Michelle. Então não adianta o país queimar todas as florestas, acabar com as reservas, se as pessoas não podem respirar. Existe um equilíbrio possível.”

Por fim, Barack Obama elencou o pilar do que ele considera ser um bom líder: buscar o máximo de informações antes de tomar decisões importantes. “Eu nem sempre posso garantir que tomei a decisão correta mas eu garanto ter analisado todas as opções mesmo aquelas diferentes da minha visão”, revela. Para isso, ter uma equipe preparada, especializada e unida é fundamental. “Eu aprendi que você é tão bom quanto a equipe que trabalha com você e aprendi que é preciso ter pessoas especializadas e capacitadas e confiar nelas, porque um bom líder precisar ter as perguntas corretas, não as respostas.” E, antes de encerrar sua palestra, ele pediu afirmou que a tecnologia pode mudar o protagonismo do Brasil no mundo assim como aconteceu com a China e pediu otimismo. “Às vezes parece que as coisas estão piorando mas precisamos lembrar que nunca tivemos tanta inclusão da diversidade, nunca tivemos tanto empoderamento das mulheres, nunca tivemos tantos negros conquistando espaços que lhe eram negados, nunca tivemos tanta gente recebendo educação. Precisamos nos manter otimistas.”

V-Tex Day
O V-Tex Day chega a sua sétima edição no São Paulo Expo, nestas quinta e sexta-feira, com mais de 24 horas de conteúdos inéditos, 170 marcas patrocinadoras com estandes de demonstração relacionados a todos os segmentos do varejo digital e público esperado de 20 mil pessoas entre os dois dias. Além de Barack Obama, que abriu o encontro, nomes como Maurício de Souza, ilustrador e criador da Turma da Mônica, Cristina Junqueira, cofundadora e VP do Nubank e Bruno Nardon, sócio fundador da Rappi Brasil, o evento conta ainda com mais de 100 especialistas disponíveis e 43 mil metros quadrados de espaço feira.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.