Opinião Previdência atual é 'insustentável' e 'injusta', diz Marinho

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 08/05/2019 18:45 Atualizado em:

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, dedicou boa parte dos 20 minutos de discurso na Comissão Especial que trata da reforma da Previdência a explicar as injustiças das regras atuais de aposentadoria. Ele participa de audiência pública na Câmara, com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quarta-feira (8).

O sistema atual, segundo Marinho, é "insustentável fiscalmente, mas também é injusto, porque poucos ganham muito e muitos ganham pouco". Além disso, "os privilégios que estão sendo defendidos têm um preço altíssimo", apontou. O gasto com Previdência e Assistência sufoca investimentos, explicou o secretário. Neste ritmo, segundo ele, a capacidade de investimento da União vai zerar em dois anos.

No início da apresentação, Marinho citou falas dos últimos quatro ex-presidentes — Michel Temer, Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso — e do presidente Jair Bolsonaro em defesa de se reformar a Previdência. "Desde a Constituição de 1988 temos pessoas importantes que passaram pelo governo e afirmaram que a questão é séria, que leva a aumento da taxa de juros", comentou.

Ele também citou as principais justificativas para reformar o sistema. Entre elas, a diminuição da taxa de fecundidade. O secretário comentou "que não estamos sequer repondo a população do país". A consequência é que fica insustentável manter o sistema de repartição adotado atualmente, pelo qual os mais jovens pagam as aposentadorias dos mais velhos. "Cada vez menos pessoas estão contribuindo para aqueles que vão se aposentar no futuro, e se agrava essa distorção", alertou Marinho.

Mais entendimento

Ele também comemorou o resultado da pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), feita pelo IBOPE, que mostra que o entendimento das pessoas em relação à necessidade da reforma tem melhorado. Pelo levantamento, divulgado nesta quarta, 59% dos brasileiros concordam (totalmente ou em parte) com mudanças no sistema de aposentadoria e pensão. "Amadureceu o tema. Não é apenas deste Parlamento, é da sociedade brasileira", comentou Marinho.

O secretário, que era deputado federal até o ano passado, lembrou que, no início de 2017, os institutos de pesquisa diziam que mais de 70% da população não acreditavam que era preciso reestruturar o sistema. "A percepção da população dessa necessidade é evidente, e está inclusive traduzida aqui através dos seus representantes", disse. Ele acompanhou a tentativa de reforma da Previdência do ex-presidente Michel Temer, em 2017.

Diante de todos os dados citados e da pesquisa que indica melhora na aceitação popular, Marinho disse acreditar na aprovação da reforma. "Mesmo que tenhamos eventuais dificuldades ou visões diferentes, eu acredito que o Parlamento brasileiro tem a maturidade de entender, e vai fazer isso, que é necessário para o país a aprovação da reforma da Previdência", disse.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.