DP Empresas Expansão no aniversário de 10 anos do Shopping Costa Dourada

Por: Kauê Diniz

Publicado em: 04/05/2019 08:00 Atualizado em:

Vacância atual do mall fica entre 2% e 3%, e 32 lojas devem chegar após a reforma. Foto: Shopping Costa Dourada/Divulgacao (Foto: Shopping Costa Dourada/Divulgacao)
Vacância atual do mall fica entre 2% e 3%, e 32 lojas devem chegar após a reforma. Foto: Shopping Costa Dourada/Divulgacao
Com os dez anos batendo à porta, em novembro, o Shopping Costa Dourada já trabalha para colocar a data como um marco da próxima expansão. O projeto é crescer em 50% no tamanho - mais 10 mil metros quadrados de ABL (área bruta locável) -, fortalecendo o conceito de open mall, porém apostando em mais operações de entretenimento e serviço, uma tendência desse mercado no país. Os números do investimento ainda não foram finalizados, já que há algumas negociações em andamento e influenciam no valor final.

A expansão vai agregar ao shopping, localizado no Cabo de Santo Agostinho, às margens da BR 101, duas lojas âncoras - uma delas em negociação é a Renner, uma das maiores varejistas de moda do Brasil, apesar da administração do mall ainda não confirmar - e uma de material de construção, além de outras 30, chamadas de satélites. O projeto, segundo o superintendente do Costa Dourada Edesio Alves, tem a assinatura do arquiteto André Sá. O cinema, com administração própria do grupo, também será contemplado, ganhando mais quatro salas e, assim, dobrando a capacidade.

Esses projetos vêm atender à demanda crescente do empreendimento, de acordo com Edesio, que hoje possui apenas 2% a 3% de vacância, ou seja, poucos espaços para atrair novos lojistas e, no segmento de alimentação, a lotação está completa. Segundo a Associação Brasileira  de Shopping Centers (Abrasce), a quantidade de espaços desocupados nos malls em 2018 foi, em média, de 5% e a perspectiva para 2019 é de ficar entre 4,5% e 5% da área disponível para lojistas.

“Tivemos um crescimento no faturamento de 14% em 2018, em relação a 2017. Um número muito bom para um shopping, diante de um mercado que passou por um período não tão favorável. Em 2019, nos últimos três meses, foram gerados 350 novos empregos. Lojas abriram e outras ampliaram”, comenta Edesio, que assumiu a superintendência-geral do mall em outubro, após cerca de quatro anos na gerência de marketing.

Dentro das novas operações que chegaram ou estão para inaugurar no mall estão a Laser Eletro, Sonho dos Pés, Ciclone e Thallys Kids, todas abertas em abril. A Toyolex vai abrir, em maio, uma loja na área de serviços com a ideia de deixar em exposição, segundo Edesio, alguns de seus modelos. Já a Ricardo Eletro trocou de ponto e ressurge, neste mês, remodelada com um formato apostando em produtos de tecnologia.

Hoje, 50% do público do centro de compras são habitantes do Cabo, cerca de 25% de Ipojuca e 10%, Escada - 75% são na faixa de até 38 anos. Mas, sobretudo no horário do almoço, durante a semana, o mall agrega à sua frequência executivos e funcionários em geral de empresas localizadas no Complexo de Suape. Por isso, o Costa Dourada pretende atrair um restaurante de conceito premium para ser uma oferta a mais ao público.

Ocupação no hotel chega a 85%

Fazendo parte do Grupo Santo Inácio S.A., dono do Costa Dourada, o Hotel Intercity Suape, ao lado do shopping, também está prestes a receber novos investimentos. Com 80% a 85%, em média, de ocupação durante a semana, parte dela abastecida por executivos de empresas localizadas em Suape, o empreendimento vai ganhar mais 32 apartamentos - hoje, são 186.

“O shopping é o grande cartão de visitas do hotel. Temos um público fiel durante a semana de executivos, a trabalho em Suape. No fim de semana, familiares desses executivos, algumas vezes, vêm para passar esse período aqui. Isso agrega ao público que temos em geral de turistas do Nordeste pela nossa proximidade com as praias do litoral Sul do estado e preços competitivos”, explica Edesio.

Devido a essa demanda corporativa, mais seis salas de eventos serão construídas para atender ao aumento das reservas de empresas que utilizam os espaços multiuso do hotel para conferências, treinamentos e outras trabalhos internos.

Paralelamente, o grupo começa a construir, no segundo semestre, em frente ao shopping e ao hotel, mas do outro lado da BR 101, um condomínio clube com 11 torres residenciais, com capacidade para abrigar cerca de 2 mil pessoas. O grupo também negocia com algumas construtoras para que o projeto, futuramente, possa ter parcerias.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.